Pesquisar
Close this search box.

Campanha online pede Conceição Evaristo na Academia Brasileira de Letras

9 de maio de 2018

Abaixo-assinado criado por internautas tem como objetivo requerer a entrada da escritora para o rol de imortais; manifesto já tem quase 6 mil assinaturas

Texto / Amauri Eugênio Jr.
Imagem / Ana Maria Gonçalves

Representatividade e pluralidade. Este é um dos aspectos que vem à tona quando se fala na campanha online para a entrada de Conceição Evaristo para a Academia Brasileira de Letras.

Criada pelo grupo Nós Movimento e lançada na plataforma Change.org, a petição online tem como objetivo momentâneo alcançar 7,5 mil assinaturas – até a publicação deste texto, a campanha obteve apoio de mais de 5,9 mil pessoas.

O objetivo da campanha é promover o ingresso da escritora ao ocupar a cadeira 7, vaga após a morte de Nelson Pereira dos Santos.

Outro aspecto a ser levado em conta diz respeito à composição do grupo atual de imortais: das 40 cadeiras da ABL, apenas cinco são ocupadas por mulheres – Ana Maria Machado; Cleonice Berardinelli, atual decana da casa; Rosiska Darcy de Oliveira; Lygia Fagundes Telles e Nélida Piñon. Vale dizer que todas elas são mulheres brancas.

Em texto publicado no site do grupo Nós Movimento, Juliana Borges, pesquisadora em antropologia, cita a “escrevivência”, conceito formulado por Conceição no qual o mote da criação é a vivência, consiste em “reflexão a partir de vivências constituidoras de uma experiência de grupo social, de identidades coletivas potencializadoras de umas das outras, constituidoras de formulações, saberes e salvaguardas de ancestralidade que apontam perspectivas futuras.”

Ainda de acordo com essa perspectiva, usada para fundamentar a campanha para a entrada de Conceição Evaristo na ABL, escrever consiste em ruptura com a passividade de leitura para o papel de produtor de conhecimento. “A escrita é, portanto, para as mulheres negras um ato revolucionário, insubordinado e que se evidencia desde os temas abordados por estas escritas, até os métodos e formas que rompem com o esperado e imposto nas normas literárias, e sociais, sendo o encontro entre forma e conteúdo como posicionamentos políticos.”

Para completar, o texto-manifesto usa citação da própria escritora sobre a representação da mulher negra na literatura: “a literatura brasileira, desde a sua formação até a contemporaneidade, apresenta um discurso que insiste em proclamar, em instituir uma diferença negativa para a mulher negra. A representação literária da mulher negra ainda surge ancorada nas imagens de seu passado escravo, de corpoprocriação e/ou corpo-objeto de prazer do macho senhor. Interessante observar que determinados estereótipos de negros/as, veiculados no discurso literário brasileiro, são encontrados desde o período da literatura colonial.”

Para assinar a petição em prol da entrada de Conceição Evaristo na Academia Brasileira de Letras, basta acessar este link.

 

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano