Pesquisar
Close this search box.

Lélia Gonzalez e Beatriz Nascimento são temas de curso online

17 de maio de 2017

Formação é organizada pelo Coletivo Di Jejê e visa apresentar as contribuições das duas autoras para o feminismo negro no Brasil.

Texto / Pedro Borges
Imagem / Alma Preta

O Coletivo Di Jejê organiza curso online sobre as ativistas e intelectuais Lélia Gonzalez e Beatriz Nascimento. A formação acontece do dia 30 de Maio a 15 de Julho na plataforma digital Moodle e as inscrições podem ser feitas aqui até 28 de Maio.

Por meio de filmes, textos, fóruns de debate e produções textuais, os inscritos
terão 30 dias para cumprir as 40h de formação e obter o certificado assinado por Jaqueline Conceição, mestra em educação pela PUC em 2014, especialista em Angela Davis e idealizadora do Coletivo Di jejê.

Lélia Gonzalez é responsável pelo feminismo afrolatino, conceito que pretende um diálogo entre mulheres negras e indígenas do continente, pautado a partir do Pan-Africanismo. Beatriz Nascimento pesquisou os quilombos e estudou em especial a organização e articulação das mulheres negras como lideranças desses espaços.

Faixa para textos BAP

O curso é dividido em seis módulos. Os três primeiros focam no pensamento de Beatriz Nascimento, com as seguintes seções, “Ori ou a Origem”, “Os espaços negros de resistência: quilombos e terreiros de candomblé”, e “As mulheres negras no quilombo e nos terreiros de candomblé”. As seguintes partes direcionam o olhar para as reflexões de Lélia Gonzalez, por meio de “Ser negro, ser negra”, “Feminismo negro”,“Feminismo afrolatino e a unidade na luta pan-africanista”. Ao final, os participantes fazem uma avaliação do curso.

Jaqueline explica que Beatriz Nascimento propõe uma retomada de experiências do povo preto como estratégias de resistência. “Acredito que o feminismo negro no Brasil deve aprofundar sua metodologia de atuação, partindo dessa mesma premissa, da de que nossa luta é também pelo povo preto e que devemos nos basear em nossos antepassados, de Oxum a Beatriz Nascimento”.

O diferente método e momento histórico vivido por Lélia Gonzalez, na academia cerca de uma década antes de Beatriz, influenciaram a construção de uma perspectiva latino-americana de luta em torno do pensamento político pan-africanista. “A perspectiva afrolatina trazida por Lélia incidia sobre essa metodologia de enfrentamento, análise da realidade, e de articulação de forças em territórios comuns, sobretudo, no olhar internacionalista proposto pela esquerda naquele período”.

O material do curso se baseia nas duas autoras e a proposta da formação é pensar sobre o método e as conclusões de Beatriz Nascimento e Lélia Gonzalez. A partir dessas reflexões, o Coletivo Di Jejê discute como o feminismo negro no Brasil pode influenciar e articular os movimentos sociais.

Referências Bibliográficas

Bibliografia: A categoria político-cultural de amefricanidade.” Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro (92/93): 69-82, jan./jun. 1988.

As amefricanas do Brasil e sua militância.” Maioria Falante. (7): 5, maio/jun. 1988.

Por um feminismo afrolatinoamericano.” Revista Isis Internacional. (8), out. 1988.

A importância da organização da mulher negra no processo de transformação social.” Raça e Classe. (5): 2, nov./dez. 1988.

Lugar de negro (com Carlos Hasenbalg). Rio de Janeiro, Marco Zero, 1982. 115p. p. 9-66. (Coleção 2 Pontos, 3.).

Documentário Ori (Beatriz Nascimento)

Eu sou atlantica (Beatriz Nascimento)

Materiais do arquivo pessoal de Beatriz Nascimento disponíveis no Arquivo Nacional

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano