Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Movimento Negro Unificado (MNU) promove seminário em homenagem aos 40 anos da organização

15 de junho de 2018

Debates tratam sobre a história da entidade e os legados deixados pela organização para a história da luta contra o racismo no Brasil

Texto / Pedro Borges
Imagem / Divulgação

Movimento Negro Unificado (MNU) organiza no dia 18 de Junho, segunda-feira, das 9h às 20h, um seminário em homenagem aos 40 anos da entidade. O evento ocorre no Auditório da APEOESP, na Praça da República, centro de São Paulo.

A organização surgiu em 7 de Julho de 1978, com um lançamento histórico nas escadarias do Teatro Municipal, centro de São Paulo, em meio ao período do regime militar. A criação da entidade marca a reconstrução do movimento negro moderno.

Isolada no seu surgimento pela direita e setores da esquerda, o MNU está presente em 12 unidades da federação, e mantêm seus quadros políticos históricos, como Milton Barbosa, e jovens negros, interessados em compor o grupo.

Regina Lucia dos Santos, militante do grupo há 22 anos, conta que o grupo surgiu com a necessidade de denunciar a violência de Estado, a discriminação racial contra os afrodescendentes, e buscar a igualdade racial e construção de uma verdadeira democracia racial no país.

“O MNU esteve sempre como ponta de lança nesta luta, levantou grande parte da necessidade destas lutas, desde o início levantou a violência policial contra negros, o genocídio, a necessidade do resgate da história e da contribuição dos africanos e afro brasileiros no processo civilizatorio e progresso brasileiro”, afirma.

Para Jose Adão Oliveira, um dos fundadores da entidade, o MNU conseguiu deixar um legado sólido para o momento atual.

“O legado do MNU é o consenso que se tem, em níveis nacional e internacional, sobre o que é, como se opera e quem lucra com o genocídio e o encarceramento em massa da população negra”, conta.

O seminário

O encontro começa às 9h com debate sobre a história de fundação do MNU, com a presença de José Adão Oliveira, Milton Barbosa e Neusa Maria Pereira, com a coordenação de Regina Lucia dos Santos.

Na sequência, o debate é sobre o genocídio e o encarceramento da população negra, com a participação de Railda Alves, Amparar, Katiara Oliveira, Kilombagem, Douglas Belchior, Uneafro, Jupiara Castro, Núcleo de Consciência Negra da USP, e Thiago de Luna Cury, Defensoria Pública do Estado de São Paulo.

Depois do almoço, a partir das 14h, o tema a ser abordado será “Mulheres negras contra o racismo”, com Miriam Duarte (Amparar), Mara Sobral (Cooperativa Granja Julieta), Juliana Gonçalves (Marcha das Mulheres Negras de São Paulo) e Luciana Araújo (MNU).

O último momento de reflexão, às 16h30, trata as “Conquistas e Perspectivas” do MNU, com Milton Barbosa, José Adão Oliveira, Regina Lucia dos Santos, e Luka França, todos integrantes da entidade.

O encerramento do encontro ocorre com a roda de samba Negras em Marcha, a partir das 19h.

Para Regina Lucia, a importância do seminário é reflexo da atualidade das pautas defendidas pelo MNU, como o genocídio, o encarceramento em massa, e a discriminação racial.

“Eu acho que celebrar os 40 é da maior importância porque as pautas levantadas pelo MNU continuam candentes e apontam para as lutas futuras”.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano