Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Museu Afro Brasil coloca produção negra em evidência em julho

27 de junho de 2018

Programação deste mês do MAB conta com atividades e exposições voltadas à valorização da cultura afro-brasileira e com eventos de férias

Texto / Amauri Eugênio Jr.
Imagem / Nelson Kon

História, literatura, preservação da natureza e formação sociocultural. A programação de junho do Museu Afro Brasil privilegia diversas modalidades de manifestação cultural de nossos antepassados por meio de linguagens diversas, que variam entre pinturas, fotografias e esculturas.

Além do acervo de longa duração, cujo acervo é formado por peças que têm como objetivo ressignificar a trajetória e a história da população negra no Brasil, alguns destaques da programação são a mostra “Isso é coisa de Preto: 130 anos da Abolição da Escravidão”, que retrata ícones afro-brasileiros dos séculos XIX e XX; e atividades desenvolvidas especialmente para as férias.

Confira a seguir a programação do Museu Afro Brasil, que está situado no Parque do Ibirapuera (avenida Pedro Álvares Cabral, s/nº, portão 10). O MAB funciona de terça-feira a domingo, das 10h às 17h. A entrada custa R$ 6 e a meia-entrada, R$ 3 – o acesso é grátis aos sábados. Informações: 3320-8900 e www.museuafrobrasil.org.br.

Exposição de Longa Duração

Com o objetivo de contar outra história brasileira, a mostra visa desconstruir o imaginário criado sobre a população negra baseado na inferioridade criada no decorrer da história e ressignificá-lo, ao transformar em trajetória de prestígio e baseada na igualdade e no pertencimento, reafirmando o respeito pelo povo negro.

Design e Tecnologia no tempo da Escravidão

A reedição de uma das exposições de maior sucesso do museu conta com acervo de mais de 400 peças, composto por objetos de uso doméstico e ferramentas para ofícios rurais e urbanos dos séculos XVIII e XIX.

Sertão Expandido (até 29 de agosto)

A mostra coloca à disposição do público dez obras feitas pelo artista Kboco, cujos formatos variam entre pinturas, desenhos, assemblages e intervenções em site specific. O mote dos trabalhos abrange o retorno do artista a Goiás, sua cidade-natal, após ter passado temporadas em Porto Alegre (RS), Olinda (PE) e São Paulo (SP).

Um Deoscóredes – 100 anos do Alapini Deoscóredes Maximiliano dos Santos (até 29 de julho)

Exposição desenvolvida em homenagem ao centenário de nascimento de Mestre Didi (1917-2013), Alapini do Ilê Asipa e filho de Mãe Senhora (1890-1967), iyalorixá do Ilê Axé Opô Afonjá. Acervo formado por esculturas do artista feitas com materiais como búzios, sementes, couro, nervuras e folhas de palmeira.

Os Africanos – O olhar europeu da fotografia contemporânea (até 29 de julho)

Mostra com acervo formado pelas obras dos fotógrafos Hans Silvester (Alemanha), Isabel Muñoz (Espanha), Alfred Weidinger (Áustria) e Manuel Correia (Portugal), que registraram o cotidiano de povos e manifestações no continente africano.

África Contemporânea (até 29 de julho)

Exposição com pinturas, esculturas, instalações, desenhos e colagens de artistas de países como Moçambique, Benin, Senegal, Angola e Gana, tais como Dominique Zinkpè, Aston, Soly Cissé, Yonamine, Gérard Quenun, Owusu-Ankomah, Oswald, Celestino Mudaulane, Edwige Aplogan, Francisco Vidal e Cyprien Tokoudagba. As obras expostas foram mecanismos encontrados por eles para exposição de suas próprias feridas e acumulações.

África e a Volta dos Espíritos (até 29 de julho)

Mostra com acervo formado por esculturas, máscaras, asens e moedas produzidas em cobre, madeira, tecido, miçangas e fibra vegetal dos povos africanos Guro, Fon, Senufo, Iorubá, entre outras etnias.

Isso é coisa de Preto: 130 anos da Abolição da Escravidão (até 29 de julho de 2018)

Exposição em lembrança aos 130 anos da abolição da escravidão no Brasil na qual o talento, a competência e a resistência da população negra nos séculos XIX e XX são retratados por meio de pinturas, fotografias, litografias, esculturas e desenhos.

Instalação “Más-caras”

Instalação de Ciro Schu na qual as máscaras expostas traduzem um grito e clamor de uma sociedade asfixiada pelo consumo desmesurado de bens.

Para participar das atividades nos finais de semana, é necessário se inscrever e/ou chegar com 15 minutos de antecedência ao horário programado e procurar o setor de acolhimento. As vagas serão ofertadas de acordo com o horário de inscrição ou chegada. As atividades aos sábados são gratuitas. As inscrições podem ser realizadas, por meio dos formulários disponibilizados para cada evento.

Consulte mais informações e políticas de gratuidade no site do Museu Afro Brasil.

Brincadeiras do Congo e do Brasil (terças-feiras, às 11h30; sextas-feiras, às 13h30; 14 de julho, às 15h)

Atividade integrante da programação de férias para aproximar o público de brincadeiras, músicas e histórias que ressaltam a relação entre Brasil e República Democrática do Congo.

Atividade gratuita. Inscrições para 14 de julho disponíveis em: bit.ly/2Kc4pje.

Visitas para grupos espontâneos (dias 1º, 22 e 29, às 14h)

Atividade realizada aos fins de semana cujo foco está em temas relativos aos núcleos componentes da exposição de longa duração do MAB.

Atividade gratuita. Todavia, o ingresso ao museu é R$ 6. Informações sobre gratuidade e meia-entrada poderão ser conferidas em: bit.ly/2tzZm1U.

LARP – Uma Tarde no Museu (12 de julho, às 15h30)

A live action role playing consiste em atividade na qual os educadores ajudam o público a conhecer o acervo do museu por meio de jogo no qual os participantes “representam” obras de arte.

Atividade gratuita. Inscrições poderão ser feitas em: shorturl.at/jqMX8

Visita temática – Mulheres negras na América Latina: Presença e palavra (21 de julho, às 14h; 25 de julho, às 11h30)

Instituído em 25 de julho de 1992, na República Dominicana, o Dia Internacional da Mulher Afro-Latinoamericana e Caribenha tornou-se um marco na luta pela inclusão, justiça e igualdade de direitos para as mulheres da região. Para celebrar a data, a atividade tem como objetivo destacar a presença e a participação de mulheres na formação sociocultural na região, assim como promover reflexão sobre as experiências enfrentadas por elas no enfrentamento do racismo estrutural.

Atividade gratuita. Inscrições: dia 21 (bit.ly/2tInSNG) e dia 25 (shorturl.at/cyO56)

Aos pés do Baobá (28 de julho, às 11h30)

Evento de contação de histórias relacionadas a narrativas africanas e afro-brasileiras. Haverá bate-papo conduzido por integrantes do núcleo de educação do Museu Afro Brasil.

Atividade gratuita. Inscrições: bit.ly/2Knu0Fg.

Oficina “Bingana” (28 de julho, às 15h)

Atividade na qual os participantes aprenderão, brincarão e refletirão sobre provérbios apresentados em português, quicongo e lingala – idiomas falados na República Democrática do Congo.

Atividade gratuita. Inscrições: shorturl.at/ehBKT.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano