Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

‘Xirê das Yabás’: mostra promove reflexão sobre intolerância religiosa

Exposição celebra o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa
Parte da mostra "Xirê das Yabás: a fertilidade do mundo", presente no Centro de Referência e Empreendedorismo do Museu de Desenvolvimento Sexual.

Foto: Thaiz Lopez/Divulgação

19 de janeiro de 2024

O Museu da Diversidade Sexual (MDS) celebra, nesta sexta-feira (21), o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa com a mostra “Xirê das Yabás: A Fertilidade do Mundo”. A exposição, que fica em cartaz até 11 de março, propõe a reflexão da cultura das religiões de matrizes afro-brasileiras com um recorte sensível de gênero, raça, sexualidade e o papel das mulheridades africanas.

As obras apresentadas exploram a estética e a simbologia das Yabás, orixás femininas da religião do Candomblé, a partir de diferentes perspectivas, como a fotografia, a pintura, a escultura e o audiovisual. Entre o time de artistas que participam da mostra estão Leaħ, Adeloyá OjúBará, May Agontinmé e Ani Ganzala.

“A intolerância religiosa é uma violência que atinge a todos, mas que tem um impacto particular sobre as pessoas que professam religiões de matrizes afro-brasileiras”, afirma Khadyg Fares, curadora da exposição e pesquisadora do MDS, em nota para a imprensa. “Essa mostra é uma oportunidade para refletir sobre a importância da diversidade religiosa e da luta contra o preconceito e a discriminação.”

A exposição é um projeto da curadora A TRANSÄLIEN, multiartista pernambucana. 

Serviço

Xirê das Yabás: A Fertilidade do Mundo 

Local: Centro de Referência e Empreendedorismo do Museu Diversidade Sexual,  Av. São Luís, nº 120 – República

Horário: Terça-feira a sábado das 10h às 18h30

Data: Terça-feira a sexta-feira (Manhã: 11h | Tarde: 16h); Visitas mediadas em Libras: Quarta-feira às, 16h
Entrada: Gratuita

  • Giovanne Ramos

    Jornalista multimídia formado pela UNESP. Atua com gestão e produção de conteúdos para redes sociais. Enxerga na comunicação um papel emancipatório quando exercida com responsabilidade, criticidade, paixão e representatividade.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano