Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Ativistas preparam manifestação para audiência do Massacre de Paraisópolis

Renata Prado, diretora da Frente Nacional de Mulheres do Funk, acredita ser fundamental a presença de integrantes do meio cultural
Imagem mostra cartaz em protesto aos jovens mortos no Massacre de Paraisópolis.

Foto: Paulo Pinto/Agência Brasil

16 de maio de 2024

O Massacre do Paraisópolis, fato que gerou a morte de nove jovens depois de operação policial durante baile funk em dezembro de 2019, terá uma nova audiência de instrução e julgamento nesta sexta-feira (17), a partir das 10h. Familiares das vítimas e ativistas organizam um ato em frente ao Fórum Criminal da Barra Funda, em São Paulo. Depois das 13h, o convite é para que as pessoas entrem no Fórum para acompanhar a sessão.

Durante a audiência, serão ouvidas testemunhas de acusação, que darão depoimentos a partir de pedidos do Ministério Público ou dos advogados dos familiares, que atuam como assistentes. Essa é uma fase de escuta para definir se o caso vai para júri popular e se os policiais serão responsabilizados pelas mortes durante o baile funk realizado na zona sul da cidade.

Diretora da Frente de Mulheres do Funk, Renata Prado ressalta a importância da presença da sociedade civil durante a audiência.

“É importante que a sociedade civil, sobretudo o movimento funk, se mobilize juntamente com os familiares dos jovens assassinados neste momento tão importante do caso, pois a Polícia Militar do Estado de São Paulo precisa entender que operações de repressão militar em baile funk viola os direitos de cidadania da juventude. Hoje temos uma PM que se a vontade para violar o estatuto da juventude, precisamos entender que esse Massacre não se pode repetir nunca mais na história do movimento funk no Brasil e os responsáveis pela morte desses jovens precisam ser punidos”, afirma.

Os familiares das vítimas prometem levar faixas e camisetas com recados, como “Amanhecer por Justiça pelos 9 que Perdemos”. A ideia é de espalhar mensagens em outros pontos da cidade, não somente no Fórum Criminal da Barra Funda.

  • Pedro Borges

    Pedro Borges é cofundador, editor-chefe da Alma Preta. Formado pela UNESP, Pedro Borges compôs a equipe do Profissão Repórter e é co-autor do livro "AI-5 50 ANOS - Ainda não terminou de acabar", vencedor do Prêmio Jabuti em 2020 na categoria Artes.

    View all posts

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano