Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Coletivo de comunicadoras negras desconstrói estereótipos criados pela mídia

Iniciativa liderada por mulheres negras mapeia os profissionais negros de relações públicas de todo o país e produz conteúdo voltado para estudantes negros

3 de outubro de 2019

A necessidade de discutir a questão racial e a presença de profissionais negros dentro das empresas de comunicação levou três mulheres negras a se destacarem em eventos de relações públicas no Brasil.

Luana Protazio, Mariana Moraes e Pryscila Galvão criaram o coletivo RPretas com o objetivo de romper com os estereótipos construídos pela mídia tradicional.

Entre as ações do coletivo, estão o mapeamento de profissionais negros de relações públicas de todo o país e a produção de conteúdo voltado para estudantes negros. A ideia é que os futuros comunicadores encontrem referências para se sentirem representados no mercado.

O profissional de relações públicas é responsável por fazer a conexão entre as empresas e seus diversos públicos. De acordo com Mariana Moraes, esse profissional precisa estar atento à diversidade que compõe a sociedade, como as diferenças culturais e socioeconômicas.

Mariana destaca que a área de relações públicas é majoritariamente branca e elitizada. Segundo a comunicadora, as empresas geralmente buscam por profissionais que correspondam aos padrões impostos pela mídia.

“O problema é que isso faz com que sejam realizadas campanhas publicitárias carregadas de estereótipos, pois nas equipes não existem pessoas para pensar no público negro e periférico”, explica.

Do interior paulista para um dos maiores eventos de relações de comunicação do país

Luana Protazio, Mariana Moraes e Pryscila Galvão costumavam participar da área de comunicação de eventos voltados para a comunidade negra e periférica em Bauru, no interior de São Paulo.

Um deles é a “Semana do Hip Hop”, que faz parte do calendário anual de atividades culturais da cidade. A experiência nos bastidores de iniciativas culturais que tinham como público alvo pessoas semelhantes ao trio impulsionou a criação do coletivo “RPretas”.

Mariana Moraes lembra que no período em que o coletivo estava sendo estruturado houve a divulgação da programação de um evento na área de relações públicas com o tema diversidade e todos os participantes anunciados eram brancos.

O coletivo decidiu fazer um levantamento para descobrir se a ausência de profissionais negros na programação decorria da falta de pessoas negras disponíveis no mercado para falar sobre o assunto.

“Fizemos uma postagem no Twitter para que os profissionais negros da área se manifestassem. Em um único dia, reunimos mais de 40 nomes e a partir daí passamos a mapear os relações públicas negros no país”, relata.

Em julho deste ano, o coletivo “RPretas” participou da 5ª edição da “RP Week”, na cidade de São Paulo. No evento, que é um dos maiores encontros de comunicação do país, Luana Protazio, Mariana Moraes e Pryscila Galvão falaram sobre a construção de novas narrativas para a população negra e periférica por meio da representatividade desses segmentos da população dentro das empresas.

“Nossa participação em eventos como esse é sempre positiva porque conseguimos falar tudo o que acreditamos ter importância. Nesses espaços, as pessoas que participam ouvem o que temos a dizer e isso é algo bom”, avalia Mariana.

“Para falar com o nosso público-alvo, realizamos eventos com parceiros de militância cultural em Bauru, coberturas de iniciativas voltadas para a cultura hip hop e também rodas de conversa e debates”, finaliza.

  • Nataly Simões

    Jornalista de formação e editora na Alma Preta. Passagens por UOL, Estadão, Automotive Business, Educação e Território, entre outras mídias.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 152

EP 151

Cotidiano