Pesquisar
Close this search box.

Faculdade Zumbi dos Palmares afasta professor que apontou arma para aluno

10 de julho de 2018

Um mês após o ocorrido, faculdade se divide entre estudantes que desejam a punição do professor e os que o apoiam. Os alunos envolvidos no caso participam de sindicância

Texto / Beatriz Mazzei
Imagem / Divulgação

O clima entre os alunos da Faculdade Zumbi dos Palmares após o afastamento do professor de direito, Marcos Paraíso da Silva, está polarizado. De um lado estão alunos que repudiam a ação do docente e buscam medidas preventivas para cessar esse tipo de conduta; do outro, alunos que se unem contra as drogas e em apoio a Paraíso.

O professor, que é segundo-tenente aposentado da Polícia Militar, foi afastado da instituição de ensino após apontar uma arma para o aluno Kaique Vidal Castanhar, do curso de Publicidade e Propaganda. Segundo testemunha, o professor também teria empurrado uma estudante que quis questionar Paraíso.

O fato aconteceu em 6 de junho, durante o intervalo de aulas do período noturno da instituição. A ação de Paraíso aconteceu após ele ter visto o aluno fumando maconha.

O caso

De acordo com um aluno que presenciou o acontecido, cerca de 12 alunos de publicidade e propaganda estavam reunidos em um espaço localizado fora da faculdade, no Centro Esportivo Tietê, fumando o cigarro, quando o professor abordou Kaique com a arma na mão em “uma abordagem totalmente fora do padrão, segurando-o pelo braço”.

Segundo a testemunha, o professor não se identificou em nenhum momento ou explicou sua ação – ele dizia que o aluno serviria de “exemplo” para os demais. Além disso, o estudante adiciona que ao conduzir Kaique para a diretoria, uma aluna quis questionar o que estava acontecendo e foi empurrada pelo professor, que a forçou a sair da sala.

Consequências e providências

O DCE (Diretório Central dos Estudantes) Dandara dos Palmares divulgou nota na qual informa que “se solidariza com as(os) acadêmicas(os) do curso de publicidade e propaganda/comunicação social e com todas(os) as(os) acadêmicas(os) dessa instituição.” No mesmo pronunciamento, os integrantes do DCE afirmam que não poderão tolerar “que tais ações traumáticas de abuso de poder e machismo invadam um espaço acadêmico de respeito.”

Em nota, o DCE ressalta também a importância de medidas preventivas e reparativas para garantir a proteção dos direitos humanos, sociais e a segurança dos alunos, além de levantarem a necessidade de avaliação do quadro de professores da instituição.

Sobre o ocorrido, o reitor José Vicente disse que os alunos foram abordados porque faziam uso de substâncias ilícitas e que o professor utilizou a arma para cessar a conduta e defender-se, uma vez que se sentiu ameaçado. Ainda na nota, adiciona: “Ressaltamos que a Instituição tem por missão ‘a inclusão e formação qualificada de profissionais comprometidos com os valores da ética, dignidade da pessoa humana e diversidade étnico racial.’”

Ato na Faculdade Zumbi dos Palmares

Em 8 de junho, após a realização de ato de alunos contra a ação de Paraíso, o reitor José Vicente comunicou, em nota, que afastou o professor temporariamente a pedido dele próprio, “para evitar mais desconforto e garantir a integridade física e moral dos envolvidos.”

Durante a manifestação, alunos gritavam palavras de ordem como: “A PM mata preto todo dia”, enquanto outros alunos rebatiam o ato, gritando o nome de Paraíso.

A mobilização dos estudantes contra o professor foi vista como irregular pela faculdade e por parte dos alunos. Em nota, o reitor aponta que os alunos envolvidos seriam repreendidos, “considerando que o referido grupo não respeitou as orientações institucionais, invadindo o prédio da Faculdade, infringindo ordem legal, causando a perturbação da ordem, impedindo o andamento normal das aulas e provocando os demais alunos.”, uma vez que eles foram “devidamente orientados quanto à proibição de manifestações dentro do campus, bem como a entrada de não alunos no interior do prédio para qualquer ato”. 

A polarização de ideias e opiniões sobre o caso invade as redes sociais, espaço que os estudantes usam para continuar o debate. Em apoio ao professor, alunos de direito criaram a tag #SomosTodosParaíso e confeccionaram camisetas com a frase.

Em “defesa da justiça”, a testemunha que preferiu não se identificar por conta de ameaças dos próprios estudantes, cita uma frase de ordem, em solidariedade ao colega que foi coagido: “Por menos que conte a história, não te esqueço meu povo. Se Palmares não vive mais, faremos Palmares de novo.”

Em 5 de julho, cerca de um mês depois do ocorrido, os alunos que estavam envolvidos no episódio participaram de sindicância para dar andamento ao caso.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano