Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Comunidade quilombola centenária recebe investimento de quase R$ 3 milhões em Rondônia

Investimento do Incra beneficiará 27 famílias da comunidade quilombola centenária Santa Fé
Na foto, moradores da comunidade reunidos em frente à Associação Quilombola de Santa Fé, em Roraima.

Foto: Reprodução / INCRA

12 de abril de 2024

O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) vai destinar R$ 2,99 milhões para 28 famílias residentes da comunidade quilombola Santa Fé, na cidade de Costa Marques (RO). A medida foi possibilitada graças ao título de reconhecimento de remanescente quilombola, dado pelo órgão em março deste ano.

Com isso, os moradores da comunidade terão acesso aos recursos do Crédito Instalação, categoria do Programa Nacional de Reforma Agrária (PNRA), que busca desenvolver as atividades produtivas. O programa conta com dez modalidades de incentivo.

Ao todo, foram três modalidades disponibilizadas para o Quilombo Santa Fé, sendo elas “Fomento”, no valor de R$ 8 mil reais por família, “Fomento Mulher”, de R$ 16 mil, e “Habitacional”, de R$ 75 mil.

Os valores serão destinados para a viabilização de projetos voltados à promoção da segurança alimentar, de estímulo à geração de trabalho e renda, projetos produtivos titulados por mulheres quilombolas, e para a construção de habitações rurais.

No início do mês (3), foram apresentados os projetos técnicos de construção das residências da comunidade, o que é um fator obrigatório para a concessão do Crédito Instalação. As casas serão construídas em parceria com a prefeitura da cidade de Costa Marques.

Com 74 famílias e 61 pessoas, a comunidade quilombola de Santa Fé ocupa uma área de 1.452 hectares, localizada na margem direita do rio Guaporé, na divisa do Brasil com a Bolívia. A comunidade tem como sustento a produção da farinha de mandioca, a pesca de subsistência e a agricultura.

Titulada desde 2015, a comunidade é centenária. Documentos técnicos do Incra atestam para a presença do quilombo desde 1888. Todas as famílias do local possuem sua origem ligada aos negros de Vila Bela da Santíssima Trindade, no Mato Grosso, região onde viveu a líder quilombola Tereza de Benguela.

  • Verônica Serpa

    Graduanda de Jornalismo pela UNESP e caiçara do litoral norte de SP. Acredito na comunicação como forma de emancipação para populações tradicionais e marginalizadas. Apaixonada por fotografia, gastronomia e hip-hop.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano