Pesquisar
Close this search box.

Equidade racial na educação tem atraso de dez anos, aponta pesquisa

Apesar dos avanços em escolaridade, há um abismo de uma década entre a população negra e a branca
Imagem mostra as mãos de um aluno negro escrevendo a lápis no caderno.

Foto: Reprodução

11 de dezembro de 2023

A pesquisa apresentada pelo Centro de Estudos e Dados sobre Desigualdades Raciais (Cedra) cruzou dados da PNAD contínua e Censo Escolar (educação básica) de 2012 a 2019 e mostrou que o Brasil avançou na escolaridade geral da população, porém as desigualdades raciais persistem.

Durante o período analisado foi identificado um avanço na escolaridade tanto entre pessoas negras como brancas. Também houve uma redução na diferença entre pessoas negras e brancas sem instrução ou com ensino fundamental incompleto, com idade acima de 15 anos: o número passou de 13,6 pontos percentuais em 2012 para 10,9 em 2019. 

Porém, ao observar os recortes por gênero, surge um outro diagnóstico: apesar da redução na desigualdade entre mulheres negras e brancas, acima de 15 anos e sem instrução, ou com fundamental incompleto, o atraso educacional não foi corrigido. Em 2012, as taxas foram de 44,7% para mulheres negras e 32,4% para brancas. 

Em 2019, esses números mudaram para 35,4% para negras e 26,2% para brancas, o que reforça que o avanço para a população negra ainda não apresenta igualdade, e ainda foram necessários sete anos para igualar ao percentual de 2012 das mulheres brancas.

Já a desigualdade entre homens negros e brancos, acima de 15 anos sem instrução ou com fundamental incompleto, diminuiu de 14,9% para 12,4% entre 2012 e 2019. No entanto, em 2019, a taxa de homens negros (40%) ainda superou a dos brancos em 2012 (33,9%).

O estudo aponta que houve um leve aumento na presença de mulheres negras no ensino superior entre 2016 e 2019, passando de 15,2% para 16, 9%, porém a diferença entre as estudantes brancas é de quase o dobro (29,4%). 

Quanto à conclusão dos cursos de graduação, os dados revelam que é necessário aperfeiçoar políticas de permanência. Em 2012, apenas 6,6% das pessoas negras acima de 25 anos concluíram o ensino superior, em comparação com 18,7% das pessoas brancas. Em 2019, a distância permaneceu praticamente a mesma, com taxas de 11,1% para negros e 25% para brancos.

Outro dado chama a atenção diz respeito à evasão dos estudantes negros ao longo da educação básica: em 2019, a proporção de alunos negros da Educação de Jovens e Adultos (EJA) era de 28 para cada dez alunos brancos. A proporção é muito maior do que no ensino médio e fundamental, ou seja, muito mais que os estudantes brancos, os negros abandonam o ensino regular e tentam concluir a educação básica no EJA.

  • Patricia Santos

    Jornalista, poeta, fotógrafa e vídeomaker. Moradora do Jardim São Luis, zona sul de São Paulo, apaixonada por conversas sobre territórios, arte periférica e séries investigativas.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

papo-preto-logo

Cotidiano

Na ONU, Brasil reafirma compromisso com a pauta racial no combate à violência

Mais de 80% dos modelos de campanhas publicitárias brasileiras são brancos, aponta estudo

O Quilombo

Aprovação do Dia Nacional do Funk é marco contra marginalização

Independência, liberdade e escravidão na Argentina

Clima e Meio Ambiente

Programa capacita lideranças das periferias do Rio para debates sobre questão climática

Território brasileiro pegou fogo em um a cada quatro hectares nos últimos 40 anos