Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Estilo Baddie: você sabe o que é?

Estética das afropatys tem bombado nas redes sociais; Confira perfis para se inspirar

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Lenne Ferreira | Foto: Divulgação

MEGAN-look

16 de julho de 2021

Gloss, baby hair e laces. Essas são uma das marcas que fazem parte do estilo baddie, que tem bombado nas redes sociais. Os looks, inspirados nas “gringas”, variam de modelos justos e sexys aos modelos streetwear, um visual mais urbano.

“Baddie” significa “vilã” ou “má”, em tradução livre. Na prática, uma “baddie” vai além da estética e representa uma garota com atitude e fashionista, uma “afropaty”. As baddies estão sempre impecáveis e adotam um ar de “deboche” para representar a estética.

Leia também: Por que o empoderamento das mulheres negras tanto incomoda?

O estilo “baddie” também representa uma nova “roupagem” dos modelos usados nos anos 90, com calças de cintura baixa, blusas com barriga à mostra, peças com estamparias e modelos mais sexys. O estilo do extinto e lendário grupo “Destiny’s Child” (Beyoncé, Kelly Rowland e Michelle Williams) é um dos exemplos.

DESTINY CHILD LOOKModelos sexys e com barriga à mostra compõe o visual da “baddie” dos anos 90 | Foto: Divulgação

Também na gringa, umas das principais referências do estilo atualmente são as cantoras Cardi B, Lizzo e Megan Thee Stallion. Em comum, as artistas abusam de um outfit com roupas justas e que valorizam o corpo. Laces coloridas, acessórios grandes e as unhas com alongamento decoradas com pedrarias também compõem o visual.

 

 

 

Entre as referências brasileiras, a filha do cantor baiano Xanddy, Camilly Victória (@camillyvictoria), é uma das adeptas do estilo “baddie”. Ela aposta em tranças coloridas, uma maquiagem mais “natural” e looks esportivos.

CAMILLY VICTORIA Camilly Victoria aposta em tranças coloridas e looks esportivos | Foto: Instagram/@camillyvictoria

Abaixo, confira alguns perfis de influencers brasileiras que representam a estética “baddie”:

 

 

 

  • Dindara Paz

    Baiana, jornalista e graduanda no bacharelado em Estudos de Gênero e Diversidade (UFBA). Me interesso por temáticas raciais, de gênero, justiça, comportamento e curiosidades. Curto séries documentais, livros de 'true crime' e música.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano