Pesquisar
Close this search box.

Governo federal envia menos doses que o necessário para vacinação dos quilombolas

Em busca de informações oficiais para complementar os dados do Ministério da Saúde, movimentos sociais preveem que menos de 10% da população quilombola seja imunizada

Texto: Caroline Nunes | Edição: Nataly Simões | Imagem: Reprodução

Governo federal envia menos doses que o necessário para vacinação dos quilombolas

31 de março de 2021

O Plano Nacional de Vacinação das Comunidades Quilombolas, elaborado pelo Ministério da Saúde, é insuficiente para imunizar essas populações. De acordo com a Conaq (Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas), o problema está, principalmente, na falta de informações sobre os números de quilombos e residentes em todo o país.

A coordenação reconhece 6.333 comunidades no Brasil, somando mais de 16 milhões de pessoas. Já o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) contabiliza a existência de 5.972 localidades quilombolas, presentes em mais de 30% dos municípios brasileiros. O Plano Nacional de Vacinação, no entanto, contabiliza 1.133.106 quilombolas distribuídos em 1.278 municípios, em 25 estados e no Distrito Federal.

Com base nisso, a Conaq estima que as doses distribuídas pelo governo federal são suficientes para pouco mais de 7% da população quilombola. Para o Ministério da Saúde, a primeira remessa de vacinas seria suficiente para imunizar 63% dos quilombolas.

O desencontro de informações oficiais é reconhecido pelo próprio governo, que solicitou em ofício aos coordenadores estaduais de imunizações o envio dos dados atualizados dos Povos e Comunidades Tradicionais Ribeirinhas e Quilombolas, por município, fonte e data de atualização, para que as estimativas apresentadas sejam revisadas.

Distribuição

Segundo a Conaq, a distribuição da vacina também é um entrave, pois está sendo feita da seguinte forma: o Ministério da Saúde envia uma quantidade determinada de doses para as secretarias estaduais, que distribuem para os seus municípios pertinentes. No entanto, de acordo com a coordenação, o que o Ministério deixou de fora do plano foram as diretrizes de distribuição, ou seja, o procedimento correto da distribuição. O impacto disso é a falta de padronização no processo de vacinação, pois cada município realiza de um jeito.

“Existem municípios que estão deslocando as equipes de saúde para os territórios quilombolas para realizar a imunização lá. Já outros municípios estão solicitando que os remanescentes se desloquem aos centros urbanos para que a imunização seja feita fora do território. Não tem um modus operandi, um padrão”, explica a assessoria da coordenação que representa os quilombolas.

Para a advogada Vercilene Dias, essa responsabilização não deveria ser das prefeituras municipais e não deveria prejudicar as ações de imunização dos remanescentes. “O governo é quem deve trazer esses dados para que o plano seja efetivado”, avalia.

A Conaq já iniciou um levantamento de dados por conta própria. O objetivo é enviar essas informações ao Ministério da Saúde o quanto antes.

Histórico

A publicação do Plano Nacional de Vacinação das Comunidades Quilombolas é uma das determinações do STF (Supremo Tribunal Federal) com base no julgamento da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 742, protocolada pela Conaq e por partidos políticos. A ação exigia do governo federal medidas de enfrentamento à Covid-19 em territórios quilombolas.

A assessora jurídica do movimento Terra de Direitos, Maira Moreira, reforça que o quantitativo populacional previsto no plano faz com que as metas de imunização fiquem abaixo do exigido na ação protocolada ainda no ano passado. Maira destaca também a importância da vacinação respeitar a prevalência do critério de autodeclaração quilombola, conforme estabelecido na convenção 169, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), e no decreto 4.887/2003.

“A fragilidade dos dados chama atenção para o desinvestimento que o governo federal fez no IBGE inviabilizando o Censo de 2021, que seria o primeiro a ter realmente informações mais detalhadas sobre a população quilombola. Enquanto não tivermos um quantitativo real, precisamos garantir que todos os quilombolas sejam vacinados, ou seja, que se privilegie metodologias inclusivas”, finaliza.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano