Pesquisar
Close this search box.

‘Grave retrocesso’: Ouvidoria de SP repudia mudança sobre câmeras corporais da PM

Manifesto ressalta que "não é postura democrática colocar ideologia na tecnologia"
Imagem mostra o Governador de São Paulo, Tarcísio Freitas.

Foto: Marcelo S. Camargo/Governo do Estado de SP

24 de maio de 2024

O ouvidor da Polícia do Estado de São Paulo, professor Claudio Silva, manifestou repúdio nesta sexta-feira (24) sobre a mudança no uso das Câmeras Operacionais Portáteis (COPs) por parte da Polícia Militar paulista, sob comando do governador Tarcísio Freitas (Republicanos). 

Após o anúncio do novo edital, que inclui a compra de 12 mil novos equipamentos e a determinação de que os agentes poderão escolher quando acionar os dispositivos, entidades de defesa dos direitos humanos e controle da atividade policial defenderam a manutenção do “Programa Olho Vivo”, sistema de câmeras corporais acopladas ao uniforme.

No comunicado, Silva pontua que o atual governo do estado de São Paulo tem se pronunciado em manifestações incertas, “com idas e vindas, ora na condenação total do sistema, ora em sua aparente defesa” e classifica as modificações como “drásticas”.

O ouvidor também alerta para a redução de 365 para 30 dias de guarda dos vídeos e a exigência de habilitação técnica para que as empresas participem do edital de concorrência de apenas 4% do objeto licitado “entre outros graves retrocessos que colocam todo o sistema em risco”.

“Não é postura democrática colocar ideologia na tecnologia. As modificações propostas no edital vão na direção contrária dos avanços do ‘Programa Olho Vivo’, que tem servido de modelo para o Brasil e diversos países do mundo, além de ter poupado vidas de policiais em recordes históricos, reduzido a letalidade policial, especialmente no público de crianças e adolescentes, além de melhorar a qualidade das evidências, cooperando com a economicidade processual como um todo”, diz o manifesto.

A nota também reforça que estudos realizados pelas maiores instituições do Brasil e do mundo atestam o avanço civilizatório representado pela adoção das COPs nos modelos atuais. “Ao final das contas: vidas são salvas com o uso pleno e transparente dessa tecnologia”, ressalta o ouvir. 

“Portanto, é urgente que estes dados e benefícios sejam amplamente conhecidos por toda a população e, com ela e suas representações legítimas, discutidos em profundidade. Esta Ouvidoria entende que a vida — de cidadãos, policiais e demais agentes — é o foco maior de toda a ação da segurança pública e que não pode ser colocada em risco a partir de medidas obscuras e parciais”, conclui o documento.

  • Mariane Barbosa

    Curiosa por vocação, é movida pela paixão por música, fotografia e diferentes culturas. Já trabalhou com esporte, tecnologia e América Latina, tema em que descobriu o poder da comunicação como ferramenta de defesa dos direitos humanos, princípio que leva em seu jornalismo antirracista e LGBTQIA+.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano