Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Homem negro é preso acusado de tráfico por portar 6,5g de crack

Ele foi liberto depois de dois dias após pedido da Defensoria Pública de São Paulo; Ministério Público não solicitou a prisão preventiva
Para ilustrar o caso do homem negro preso acusado de tráfico, imagem mostra o corredor de uma prisão e as grades verdes das celas.

Foto: Thinkstock

17 de maio de 2023

Um homem negro e em situação de rua foi preso e acusado de tráfico de drogas por portar 6,5g de crack. Carlos* foi detido no dia 18 de abril no centro de São Paulo e ficou preso por dois dias.

Após uma nova posição do Ministério Público, que reiterou não ter pedido a prisão preventiva, o homem passou a aguardar a manifestação do desembargador do caso para responder ao processo em liberdade.

Durante a audiência de custódia, o Ministério Público, responsável pela acusação, não solicitou a prisão preventiva por entender que a liberdade de Carlos não representava uma ameaça para a sociedade. Apesar disso, o juíz Fábio de Matos decretou o cárcere.

Juiz decretou prisão preventiva com base no desemprego e falta de endereço fixo

Os argumentos utilizados pelo juiz foram a ausência de endereço fixo do homem e o fato de ele estar desempregado, o que justificaria o envolvimento com o tráfico como forma de conseguir uma renda, e o histórico de antecedentes penais.

O desembargador do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ/SP), Klaus Arroyo, acatou o pedido de Habeas Corpus da Defensoria Pública. Arroyo sinalizou que os crimes cometidos passaram o período de 10 anos e sinalizou para a “ilegalidade” da prisão. O desembargador impôs medidas ao acusado para o comparecimento periódico em juízo.

Carlos foi preso e condenado uma vez por tráfico de drogas em 2012, há mais de 10 anos. A Defensoria Pública também destacou a longevidade do crime cometido pelo acusado para pedir a soltura e a possibilidade de responder ao processo em liberdade.

Leia mais: STF concede prisão domiciliar para lactante que furtou chocolate

Prisão feita por guardas municipais civis é inconstitucional

O acusado foi detido e levado para a delegacia por dois guardas civis metropolitanos, Marcelo Scaramuzza e Iara Lopes, que receberam uma denúncia de venda de drogas na Praça da Sé e abordaram Carlos. A Defensoria Pública, no pedido de Habeas Corpus, afirma ser inconstitucional que a Guarda Civil Metropolitana faça o serviço da polícia.

Carlos é um homem negro, casado, pai de quatro filhos e em situação de rua. Ele nega ser traficante e diz ser usuário da substância.

Em nota, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) alegou que “não emite nota sobre questões jurisdicionais. Os magistrados têm independência funcional para decidir de acordo com os documentos dos autos e seu livre convencimento. Essa independência é uma garantia do próprio Estado de Direito. Quando há discordância da decisão, cabe às partes a interposição dos recursos previstos na legislação vigente”.

* Carlos é um nome fictício, utilizado para preservar a identidade do acusado.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 152

EP 151

Cotidiano