Pesquisar
Close this search box.

Hospital de Campinas tem rotina de práticas racistas contra gestantes negras

Segundo relatos coletados pela Alma Preta Jornalismo, equipe médica do hospital trata com menos importância pacientes negras; na semana passada, uma das gestantes quase teve o parto negado por conta de penteado afro nos cabelos

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Getty Images

Imagem mostra gestante negra com as mãos na barriga. Ela usa um top preto e uma calça na cor cinza.

26 de abril de 2021

O Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (Caism) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), no interior de São Paulo, é considerado pelo governo do estado um importante equipamento de atendimento às mulheres. Segundo relatos de pacientes e fontes ligadas à área da saúde, as mulheres e gestantes negras, sobretudo as pobres, são vítimas rotineiras de racismo e violência obstétrica na unidade hospitalar.

De acordo com relatos coletados pela Alma Preta Jornalismo, os médicos recorrentemente fazem um procedimento chamado “lâmina”, que consiste em forçar o períneo da gestante para acelerar o processo, mesmo que a paciente se queixe de dor e desconforto. “Essa intervenção, feita em gestantes negras e pobres, é um procedimento que pode causar edema, hematoma e dor na vulva no pós- parto”, conta uma das fontes ouvidas pela reportagem. 

As pacientes negras também são submetidas a constrangimento no momento de exames de toque vaginal. “No momento do exame se reúnem o chefe com mais dois ou três residentes para examinar a paciente e todos a tocam. Isso gera desconforto. Elas não sabem e não são informadas que têm o direito de dizer não em uma situação dessas”, detalha a fonte.

Equipe médica falou em cancelar parto de gestante negra com cabelo trançado

Débora, moradora da cidade de Cosmópolis, na região de Campinas, levou na quinta-feira (22) a filha de 22 anos para fazer o parto no hospital universitário. Na unidade, a equipe médica disse que o parto poderia ser cancelado em razão do penteado da gestante.

“Eles falaram que poderiam cancelar o parto porque ela estava usando trança. A minha filha passou uma gestação de alto risco”, conta Débora.

No dia anterior, o hospital de Cosmopólis não realizou o procedimento de cesárea por conta do alto risco e encaminhou a gestante para o centro de atendimento da universidade estadual. 

As tranças da paciente tinham implantes de fios sintéticos, o que é um fator que poderia atrapalhar o parto, mas segundo a família não era motivo para cancelar todo o procedimento. Depois que a família reclamou, o parto foi realizado. A paciente e o bebê estão bem. 

Segundo uma fonte da área da saúde, situações parecidas já aconteceram no hospital universitário. “Em casos de cabelo sintético da paciente, eles [médicos] querem tirar o cabelo sem respeitar sua origem ou até mesmo o gasto de tempo e financeiro que ela teve para colocar o cabelo. A solução para isso é isolar o cabelo com um tecido de algodão [camisola ou lençol], que protege a paciente e o cabelo sintético não conduz a eletricidade do cautério utilizado na cirurgia”, explica.

Leia também: Marcas da violência obstétrica atingem majoritariamente as mulheres negras

Ainda de acordo com a fonte ouvida pela reportagem e que conhece a rotina do hospital universitário, no local as gestantes negras e pobres recebem menos atenção dos médicos que as não negras.

“Eles escolhem as gestantes que vão receber analgésico para o parto e não oferecem a opção da cesária. Pela lei, se a gestante está com 39 semanas de gestação ela pode pedir uma cesariana, mas os médicos do Caism não acatam e conduzem um parto normal não desejado, o que pode ser traumático”, revela.

Racismo obstétrico

A parteira Nabila Pereira explica que os procedimentos médicos relizados sem autorização prévia, assim como excessos de exames desnecessários e a exigência do corte do cabelo são indicadores de racismo obstétrico. “As pessoas negras são vistas como exóticas e as pessoas brancas não”, ressalta a obstetriz.

O artigo “A cor da dor: iniquidades raciais na atenção pré-natal e ao parto no Brasil”, publicado em 2017 e coordenado pela pesquisadora Maria do Carmo Leal aborda a experiência de mulheres gestantes negras.  O estudo usou como base as informações do levantamento “Nascer no Brasil: Pesquisa Nacional sobre Parto e Nascimento”, feito com cerca de 24 mil mulheres gestantes entre 2011 e 2012.

Segundo os dados,  65,5% das mulheres negras consideraram o pré-natal inadequado. Entre as gestantes brancas, esse percentual foi de 57,7%.

Imagem mostra uma mulher negra em uma manifestação com um cartaz na mão escrito: 66% das vítimas de violência obstétrica são negras

Foto: Jornal Comunicação/UFPR

“O racismo obstétrico é a violência racial que as pessoas negras sofrem. Ele é reproduzido tanto a partir da negligência como em negar a presença de acompanhante, informações e medicamento para o parto, por conta do mito do estereótipo de que a pessoa negra é mais resistente que a pessoa branca”, lembra Nabila, que também é ativista no combate ao racismo e violência obstétrica e parteira domicíliar integrante do coletivo de parteiras pretas de São Paulo.

Outro lado

A Alma Preta Jornalismo entrou em contato com a Secretaria Estadual de Saúde do Estado de São Paulo, com o gabinete de comunicação do governador João Doria (PSDB) e com a Secretaria Estadual da Casa Civil questionando a rotina de violência racial no hospital de Campinas. 

Cinco dias após a publicação da reportagem, a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Saúde respondeu que a Alma Preta Jornalismo ignorou princípios básicos do jornalismo como o de ouvir o outro lado e negou que o Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (Caism) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) tenha práticas racistas em sua rotina, conforme apontam os relatos coletados.

A agência cumpriu seu papel ético e contatou a asssessoria de imprensa antes mesmo da publicação da reportagem. Confira a nota enviada pela Secretaria de Saúde: 

“O site Alma Preta ignorou o princípio básico do jornalismo, de apurar e contemplar o “outro lado” na reportagem “Hospital de Campinas tem rotina de práticas racistas contra gestantes negras”, maculando a imagem da instituição sem sequer ouvi-la. A reportagem foi publicada em 26 de abril e somente dois dias depois forneceu dados básicos sobre o caso, inviabilizando assim a consulta ao prontuário e resposta em tempo oportuno.

O Hospital da Mulher repudia qualquer ato discriminatório e em décadas de existência nunca houve qualquer registro do tipo nos canais oficiais da unidade, e está inteiramente à disposição da paciente e seus familiares se estes desejarem orientações e esclarecimentos complementares aos prestados na ocasião do atendimento ao seu caso.

A unidade desconhece um procedimento chamado “lâmina”, e trabalha somente com técnicas adequadas e previstas em protocolos nacionais e internacionais de Ginecologia e Obstetrícia.

Não foi identificada nenhuma queixa nos canais de atendimento da unidade com relação ao caso citado. A direção da unidade levantou o histórico de atendimento à gestante citada e constatou que foi respeitado um protocolo essencial para sua própria segurança: como as pessoas com adereços estéticos ou acessórios correm maior risco de queimadura durante o procedimento cirúrgico com “bisturi elétrico”, a parturiente foi orientada e esclarecida. Foi inclusive utilizado em seu atendimento procedimento alternativo com uso de pontos convencionais para fechamento da incisão, em absoluto respeito à autonomia, segurança e identidade da paciente.

Na ocasião, não houve qualquer manifestação da mesma com relação a esta conduta. O “exame de toque” é um procedimento médico rotineiro para monitorar a evolução do trabalho de parto, sendo utilizado por serviços públicos e privados para atender gestantes, sendo descabida qualquer associação de caráter étnico ou social. A presença de profissionais de saúde também respeita protocolos assistenciais.

O CAISM é referência regional para 62 municípios no atendimento de gravidez de alto risco, pacientes gestantes pré-termo (inclusive com Covid-19) e UTI neonatal. Realiza mais de 90 mil atendimentos anualmente e é habilitada como “Hospital Amigo da Criança” e integrante da “Rede Cegonha”, títulos que se mantêm após avaliações criteriosas e regulares.

O hospital reitera que não compactua com nenhum tipo de conduta intolerante, discriminatória, vexatória, preconceito racial, econômico ou religioso.”

Texto atualizado às 14h08 de 30 de abril de 2021 para a inclusão da resposta da Secretaria Estadual de Saúde do Estado de São Paulo.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano