Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Laboratório de criação de games abre inscrições para jovens negros e indígenas

Curso é gratuito e voltado para jovens entre 15 e 29 anos com conhecimentos de design e programação

Texto: Redação | Foto: Reprodução

Imagem mostra mulher negra usando noteebook. Ela tem a pele retinta e o cabelo curto e loiro.

Foto: Foto: Reprodução

17 de agosto de 2023

Como forma de impulsionar a presença de jovens negros, indígenas e de periferias do Brasil na área da tecnologia, os coletivos GatoMídia e TALES estão com inscrições gratuitas abertas para o LAB Afro-ameríndio Narrativas Gamificadas. Voltado para o aprendizado e criação de games eletrônicos, o projeto inédito é aberto para pessoas entre 15 e 29 anos, que atuam com design, audiovisual, artes visuais, mídias digitais ou que tenham um conhecimento básico de programação. As inscrições vão até o dia 3 de setembro, através do formulário disponível online.

O Laboratório Permanente Afro-ameríndio atua no ensino em rede e na produção criativa em linguagens visuais, imersivas e tecnológicas com foco em grupos sociais minorizados (mulheres, LGBTQIAPN+, pessoas negras e indígenas).

O objetivo central do projeto é ajudar a reparar as disparidades sociais, visto que, no Brasil, apenas 31,5% das pessoas que atuam na área da tecnologia são mulheres e 36,9% são negros, segundo pesquisa do PretaLab. Os povos originários são ainda mais excluídos: representam apenas 0,3% do setor.

“É importante combater a ideia de que a produção de tecnologia deva ser privilégio ou prerrogativa de uma elite social ou econômica. Acreditamos que a raiz de toda tecnologia está intrinsecamente ligada à cultura e a saberes ancestrais. Por isso, alcançar o universo da tecnologia e da criação de games será mais uma consequência desse protagonismo”, afirma o coordenador pedagógico João Araió, do GatoMídia.

LAB terá oficinas e criação de games

O LAB terá início em 12 de setembro, com duração de três meses, e será dividido em quatro ciclos criativos, que abordarão desde a teoria até a criação real de um jogo. Neste período, o participante terá acesso a masterclasses, oficinas e mentoria de desenvolvimento de games baseados em narrativas orais e cosmologias de culturas indígenas e afro-brasileiras. Todo o curso será online, pelo Zoom, e terá aulas abertas no YouTube do TALES.

A partir do primeiro ciclo, os participantes vão se dividir em times e começar a trabalhar no seu jogo. Durante o LAB, os processos criativos serão divididos em linguagens: storytelling, design e programação. Ao fim, serão realizados pitches e mentoria com profissionais da área e estúdios de games, que vão ajudar na elaboração do protótipo digital de cada produto.

O LAB será conduzido por profissionais renomados e engajados com a luta antirracista. Entre eles, a pesquisadora de literatura indígena Trudruá Dorrico, povo Macuxi; o roteirista e escritor Renato Noguera; a designer gráfica, ilustradora e grafiteira Auá Mendes, do povo Mura; a artista carioca e “sampleadora visual” Amora Moreira; e diretor de tecnologia e cofundador da startup HIT Jonas Alves. A equipe da Aoca Game Lab, de Salvador (BA), que desenvolveu o jogo Árida, também está entre os colaboradores.

Ex-aluna do GatoMídia, na primeira edição do LAB Afro-ameríndio, a comunicadora indígena Tainá Barral, de Belém do Pará, conta que o projeto audiovisual foi um impulsionador em sua carreira, além de ter ajudado a dar visibilidade à cultura dos povos originários do Norte do país.

“Eu pude expor a minha arte e ainda participei de formação de jovens e crianças do meu território, ensinando sobre colagens. No GatoMídia aprendi sobre Afropresentismo e sobre a importância, justamente, de sermos representados”, relata Tainá.

Jogos atenderão público infantil

Para além de ensinar gamificação e aproximar jovens da área de tecnologia, a proposta de criação dos jogos é gerar impacto social e transformar infâncias por meio da educação ambiental, da auto afirmação de suas identidades e pertencimento. Por isso, os games desenvolvidos serão voltados ao público infantil +8 (acima dos 8 anos).

Os protótipos terão a oportunidade de ser pós-produzidos e implementados na plataforma de games educacionais World of Us, gerenciada por TALES, iniciativa presente em quatro continentes.

“Muitas pessoas enfrentam as consequências do racismo algorítmico e a causa disso, por grande parte, é a falta de uma perspectiva plural no desenvolvimento dessas tecnologias. Precisamos mudar isso criando um mercado de trabalho mais representativo, que inclua diferentes vozes e ideias inovadoras. Investir em programas de capacitação é fundamental para melhorar esse cenário ao longo do tempo. É um prazer contribuir com o trabalho do GatoMídia e realizar juntos esse laboratório. O futuro promete”, avalia a diretora de Estratégias Globais da TALES, Tainá Moreno.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano