Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Mães e crianças das comunidades do Rio de Janeiro participam de ações educacionais voltadas à saúde

Iniciativa desenvolvida por profissionais da área da saúde e da educação, em sua maioria mulheres negras, já impactou mais de 1.000 famílias

1 de outubro de 2019

Nas comunidades do Rio de Janeiro, o projeto “Mães & Mais” desenvolvido por profissionais da área da saúde e da educação, em sua maioria mulheres negras, já beneficiou mais de 1.000 famílias de 21 territórios diferentes em menos de três anos.

São realizados atendimentos médicos e ações educacionais voltadas para à saúde de mães de todas as idades e de crianças com até seis anos em situação de vulnerabilidade social.

De acordo com Thais Ferreira, líder comunitária e empreendedora social, o principal objetivo da equipe formada por médicos de diferentes especialidades, fisioterapeutas, enfermeiros e psicólogos é educar as populações sobre os cuidados com a saúde.

“O analfabetismo em relação à saúde é um sério problema de saúde pública no Brasil. Desde pessoas que não conseguem ler uma receita ou não entendem o que foi falado na consulta médica até o desconhecimento sobre educação sexual e reprodutiva”, explica.

Para a líder comunitária e empreendedora social, os cuidados com a saúde das pessoas à margem da sociedade devem ser tratados como uma política de urgência.

“É necessário ir na raiz do problema e abrir espaço para a construção de novos arranjos sociais, que são extremamente necessários para o resgate da humanidade da população negra e periférica”, avalia.

Metodologia

A metodologia usada pelo projeto fundado por Thais Ferreira foi criada pelo próprio público alvo da iniciativa. “É uma maneira de garantir que quem passa pelo problema seja protagonista desde o processo de criação da solução”, afirma.

Os beneficiários chegaram ao consenso de que o projeto deve funcionar de duas formas: A primeira é chamada de ação social itinerante, onde a estrutura de atendimento é levada para as comunidades de acordo com as suas especificidades e necessidades.

Já a outra consiste em atendimentos particulares com os profissionais de saúde, que passam por treinamentos para a realização de um atendimento humanizado.

Falta de investimento

As ações sociais realizadas pelo projeto “Mães & Mais” não contam com o apoio do Estado. Para arcar com os custos, os profissionais cobram um valor simbólico pelo atendimento médico.

Segundo Thais Ferreira, a falta de investimento, no entanto, ainda é um dos desafios para que o projeto alcance mais pessoas. “A ideia é transformar nossas ações sociais em política pública para que todos sejam beneficiados. O fato de eu ser uma mulher negra, pobre e periférica torna mais difícil atrair investidores, mas sigo na luta”, complementa.

  • Nataly Simões

    Jornalista de formação e editora na Alma Preta. Passagens por UOL, Estadão, Automotive Business, Educação e Território, entre outras mídias.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano