Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Mais ricos batem recorde de concentração de renda no Brasil, diz estudo

Levantamento realizado pela FGV também alerta sobre os vetores que contribuíram para o aumento da desigualdade no país em cinco anos
Imagem mostra um acampamento de pessoas em situação de rua, em contraste, prédios aparecem em segundo plano para ressaltar a desigualdade presente no Brasil.

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

19 de janeiro de 2024

Uma nova pesquisa do Observatório de Política Fiscal do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV, realizada com base no Imposto de Renda (IRPF), revelou que os mais ricos concentram cada vez mais renda no Brasil. 

O estudo, elaborado em parceria com o economista Sérgio Wulff Gobetti, compara a renda média em 2017 e 2022 de quatro grupos sociais, desde os mais ricos até os 95% restantes da população adulta. 

A partir disso, o levantamento destaca um crescimento da renda dos muito ricos em um ritmo de duas a três vezes maior do que a média registrada pela grande parcela dos brasileiros (95%).

Enquanto a maioria da população adulta apresentou um crescimento médio de 33% em sua renda no período de cinco anos, marcado pela pandemia, a variação registrada pelos mais ricos foi de 51%, 67% e 87% nos estratos mais seletos. Entre os 15 mil milionários que compõem o 0,01% mais rico, o crescimento foi ainda maior: 96%.

“Ao que tudo indica, a confirmar-se por estudos complementares, o nível de concentração de renda no topo da pirâmide elevou para um novo recorde histórico, depois de uma década de relativa estabilidade da desigualdade”, diz a pesquisa.

Como resultado, a fatia de renda destinada ao 1% mais rico no Brasil aumentou de 20,4% para 23,7% entre 2017 e 2022. Ou seja, mais de quatro quintos desse acréscimo concentrado de renda foram para o milésimo mais rico, composto por 153 mil adultos com renda média mensal de R$ 441 mil em 2022.

Em resumo, o texto conclui que os resultados da análise “servem de alerta sobre o processo de reconcentração de renda no Brasil e sobre os vetores que mais contribuem para isso”.

“Ainda é cedo para avaliar se o aumento da concentração de renda no topo é fenômeno estrutural ou conjuntural, mas as evidências reunidas reforçam a necessidade de revisão das isenções tributárias atualmente concedidas pela legislação e que beneficiam especialmente os mais ricos”, conclui o estudo. 

  • Mariane Barbosa

    Curiosa por vocação, é movida pela paixão por música, fotografia e diferentes culturas. Já trabalhou com esporte, tecnologia e América Latina, tema em que descobriu o poder da comunicação como ferramenta de defesa dos direitos humanos, princípio que leva em seu jornalismo antirracista e LGBTQIA+.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano