Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Morte do menino Benjamin segue sem investigações

14 de junho de 2018

Fábio da Silva, pai do garoto, conta um pouco da luta para a responsabilização da morte do filho de um 1 ano e 7 meses no Complexo do Alemão, tragicamente morto eeste ano. Mãe segue sem conseguir superar a dor

Texto / Thalyta Martins
Imagem / Arquivo pessoal / Facebook

Na noite do dia 16 de março de 2018, o menino Benjamin Novaes da Silva, de 1 ano e 7 meses, morreu vítima de bala perdida durante confronto entre policiais e integrantes do tráfico, no Complexo do Alemão.

Benjamin foi atingido na cabeça dentro do carrinho onde estava quando a mãe o levava para a casa da avó, que mora na Favela Nova Brasília. Nesse mesmo dia, outras três pessoas morreram e mais sete ficaram feridas. A mãe do menino também foi alvejada.

Três meses depois da tragédia, o Alma Preta conversou com o pai do Benjamin, Fábio Antônio da Silva, gesseiro, sobre as investigações e descaso do poder público com a família.

Superação

De acordo com Silva, a mãe do Benjamin, Paloma (30), não se encontra bem nesse momento e não conseguiu se recuperar desse processo. “Nem sempre ela vai no psicólogo. É um momento muito difícil.”

Sobre si próprio, Fábio disse que está sendo difícil para ele também. “Parece que você que é um marginal e que foi você quem assassinou seu filho. Eu já tive perdas – pai, irmão, tio e demais parentes. Mas, desta vez, foi meu filho. Eu perdi meu filho. É uma dor, pode-se dizer, diferente, pois a perda do meu filho fica no meu psicológico todos os dias. Acordo, durmo, tudo o que eu faço eu penso nele e no sorriso dele. É supercomplicado lidar com uma situação dessas. Conviver com isso dói, ainda mais saber que nada se faz para tentar pelo menos resolver”, afirmou, à reportagem do Alma Preta.

O que está sendo feito?

Fábio contou que foi à Defensoria Pública, à Vara de Execuções Penais (VEP) e em algumas palestras que fizeram quando Benjamin morreu. No entanto, ele aponta a burocracia como um impedimento para o processo andar. “Por outro lado, os órgãos não fazem esforço para que isso aconteça, entendeu? O tempo passou, está passando e nada se fala. Quanto mais oculto, melhor. Não há interesse de ser desvendado o que realmente aconteceu com o Benjamin naquele dia 16”, disse.

Ele disse que o fato de ver que ninguém foi responsabilizado torna o processo de superação mais doloroso. Ele afirmou ainda que o tempo está passando e a impressão que ele tem é que a morte do seu filho ficará no esquecimento.

“Um bebê de 1 ano e 7 meses perde a vida e fica por isso mesmo. É frustrante. É complicado ver tanta coisa acontecer e nada se resolver. Então está muito difícil hoje lidar com essa situação.”

Entramos em contato com a Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro para obter mais informações sobre o ocorrido e ações posteriores ao dia 16 – fomos posteriormente encaminhados para a Polícia Civil. A instituição disse que o caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios da Capital.

“No momento, não há informações a serem divulgadas sobre a investigação”, afirmou a Polícia Civil.

O Tribunal de Justiça do Rio disse que lhe cabe o julgamento das ações propostas, após oferecimento de denúncia pelo Ministério Público. “Não localizamos nenhum processo pelo nome da vítima”, afirmou o órgão em nota.

Fábio da Silva desabafa: “Eu tenho que me mexer, mas como o farei se eu não sei me mexer? Tenho que aprender: aprender a lidar com essa situação e buscar caminhos para isso”, finaliza o pai.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano