Pesquisar
Close this search box.

Nobel da Paz vai para militantes que denunciam a violência sexual

11 de outubro de 2018

Congolês e iraniana que lutam diretamente para erradicação deste mal vão dividir prêmio. Ambos acreditam que a justiça é responsabilidade do mundo

Texto / Thalyta Martins
Imagem / Reprodução

O médico congolês Denis Mukwege (63), e a iraquiana Nadia Murad (25), dividirão o Nobel da Paz deste ano, concedido na sexta-feira (5), por lutarem pelo fim do “uso da violência sexual como uma arma de guerra e conflito armado”. O prêmio foi anunciado em Oslo, capital da Noruega e será entregue oficialmente em 10 de dezembro na mesma cidade.

Denis Mukwege, conhecido também como Doutor Milagre, é lembrado por seu trabalho ajudando vítimas de estupro por meio do seu hospital Panzi, fundado no final da década de 90 na República do Congo, pela instituição City of Joy, e também por sua pressão e críticas frequentes a governantes por não serem eficientes na erradicação dessa violência. O país já foi chamado de “capital do estupro” pela Organização das Nações Unidas (ONU). Ele, que desenvolveu uma técnica menos invasiva para tratar lesões sexuais graves, e sua equipe já atenderam mais de 40 mil vítimas, ajudando-as também no tratamento de doenças sexualmente transmissíveis e no acolhimento psicológico.

Já Nadia Murad é reconhecida por sua resistência e coragem. Ela, que foi sequestrada e estuprada por três meses seguidos no Iraque por ser da minoria oprimida yazidi, é uma voz ativa contra o estupro e o tráfico humano em todo mundo. Em 2016, dois anos depois do sequestro e de ver seus familiares serem mortos por terroristas do Estado Islâmico, foi nomeada Embaixadora da Boa Vontade para dignidade dos sobreviventes do tráfico humano do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (UNODC). No livro “The last girl” (A última garota) Nadia conta um pouco de sua história de vida.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano