Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Patrono da abolição, Luiz Gama faz aniversário e ganha homenagens

20 de junho de 2018

Ícone da luta contra a escravatura, Luiz Gama faria 188 anos em 21 de junho. Reconhecido como jornalista, ele ganha caminhada em São Paulo e mesa na Feira Literária de Paraty (FLIP)

Texto / Divulgação
Imagem / Divulgação

No próximo dia 23, sábado, a partir das 10h30, uma caminhada pretende percorrer as “pegadas” que essa figura deixou por São Paulo. O caminho começa no Mercado das Flores, no Largo do Arouche, no centro da capital paulista, onde há um busto em recordação a Luiz Gama.

O percurso será liderado pelos jornalistas Oswaldo Faustino, autor do livro “A luz de Luiz”, Cinthia Gomes, que pesquisa o patrono da abolição em mestrado na ECA/USP, e Guilherme Soares Dias, que é blogueiro e viajante. 

Para participar do evento, é preciso investir R$ 50 e inclui almoço do Rudie Food Cozinha Alternativa, que oferece comida afro-brasileira.

Luiz Gama

Luís Gonzaga Pinto da Gama, o Luiz Gama, foi uma das figuras mais combativas do século XIX em prol da abolição da escravatura. Atuava como advogado de pessoas escravizadas e na imprensa da época, escrevendo artigos sobre o tema. Fundou Diabo Coxo, o primeiro jornal ilustrado humorístico da cidade, ao lado do caricaturista ngelo Agostin.

O reconhecimento de sua importância como figura histórica foi tardio e vem aos poucos aumentando. No último 17 de maio, essa atuação ganhou destaque com o descerramento de uma placa na sede do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, que reconhece seu legado na imprensa paulista. Em 2015, a Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo (OAB-SP) já o havia reconhecido Gama como advogado. Além de ter frequentado a faculdade São Francisco clandestinamente, ele libertou centenas de escravos por meio de interpelações judiciais.

No último sábado (16), o Museu Afro Brasil, recebeu Oswaldo Faustino para o Encontro Marcado, Projeto Negras Palavras para falar justamente de Gama. Durante a Feira Literária de Paraty (Flip) 2018 a mesa “Poeta na torre de capim”, na sexta, 27 de julho, vai falar da falta de leitores e do silêncio da crítica em relação a alguns autores, como reclamava Hilda Hilst, a homenageada deste ano. Para o debate, estarão presentes a professora da Unifesp Ligia Fonseca Ferreira, especialista no poeta Luiz Gama, e Ricardo Domeneck, poeta e editor atento a nomes ainda fora do cânone, como Hilda Machado, que morreu inédita em livro.

História

Em meados de 1860, Gama foi jornalista de grande audiência, cronista e comentarista jurídico, político e sobre temas da escravidão. Além de Diabo Coxo, escreveu para Cabrião, Radical Paulistano, O Ipiranga, Correio Paulistano, A Província de São Paulo (hoje O Estado de S. Paulo), Gazeta do Povo e jornais da corte – como Gazeta da Tarde, O Abolicionista e Tiradentes. Também foi fundador e proprietário do periódico O Polichinello.

Em seus textos, Gama dava visibilidade aos abolicionistas negros. “Acabo de ler, sem espanto, mas com pesar, o (…) escrito, publicado na (…) Província [de São Paulo] de hoje, contra o distinto cidadão José do Patrocínio. Em nós, até a cor é um defeito, um vício imperdoável de origem, o estigma de um crime; e vão ao ponto de esquecer que esta cor é a origem da riqueza de milhares de salteadores, que nos insultam; que esta cor convencional da escravidão, (…) à semelhança da terra, [a]través da escura superfície, encerra vulcões, onde arde o fogo sagrado da liberdade”, escreve Gama na Gazeta do Povo.

Em 1870 foi acusado de “caluniar” o juiz municipal Antônio Pinto do Rego Freitas, que hoje dá nome à rua do Sindicato dos Jornalistas e onde agora tem uma placa que reconhece o trabalho de Gama: “jornalista atuante na imprensa de seu tempo e grande influenciador das lutas pelo fim do regime escravocrata, reconhecido como o maior abolicionista do Brasil e patrono da abolição da escravidão do Brasil”.

Filho de mãe negra e pai branco foi vendido como escravo, pelo próprio pai, aos 10 anos de idade. Permaneceu analfabeto até os 17. Conquistou judicialmente a própria liberdade e passou a atuar na advocacia em prol dos cativos – estima-se que tenha libertado do cativeiro mais de 500 escravos. Faleceu em 1882, seis anos antes da sanção da Lei Áurea, que agora completa 130 anos.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano