Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Pesquisa revela altos níveis de mercúrio em 94% dos Yanomami entrevistados

Todas as nove aldeias Yanomami analisadas apresentaram algum índice de contaminação por mercúrio em Roraima
Na imagem, uma mão segura uma quantidade de mercúrio usado para o garimpo.

Foto: Daniel Marenco / ISA

5 de abril de 2024

Uma pesquisa realizada com indígenas Yanomami atestou níveis de mercúrio nas amostras de cabelo de todos os participantes. O estudo foi realizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) junto ao Instituto Socioambiental (ISA), e divulgado nesta quarta-feira (4).

Chamada de ‘Impacto do mercúrio em áreas protegidas e povos da floresta na Amazônia: uma abordagem integrada saúde-ambiente’, a pesquisa analisou nove aldeias do subgrupo Ninam, localizadas em Roraima. Os maiores níveis de intoxicação foram registrados nas aldeias mais próximas aos pontos de garimpo ilegal.

Segundo o ISA, das 287 amostras de cabelo analisadas, 84% continham níveis de contaminação por mercúrio acima de 2,0 microgramas por grama (µg/g) e  outros 10,8% ficaram acima de 6µg/g, o que é considerado alto pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Os pesquisadores destacam que os indígenas que apresentam maiores índices de contaminação demonstraram déficits cognitivos e danos em nervos nas extremidades, como mãos, braços, pés e pernas.

“Esse cenário de vulnerabilidade aumenta exponencialmente o risco de adoecimento das crianças que vivem na região e, potencialmente, pode favorecer o surgimento de manifestações clínicas mais severas relacionadas à exposição crônica ao mercúrio, principalmente nos menores de 5 anos”, explica Paulo Basta, coordenador do estudo, em nota à imprensa. 

A análise também examinou 47 amostras de peixes, no qual todas apresentaram algum grau de contaminação. Foram encontrados níveis de mercúrio acima do nível 1 da resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), em sedimentos do rio Mucajaí.

  • Verônica Serpa

    Graduanda de Jornalismo pela UNESP e caiçara do litoral norte de SP. Acredito na comunicação como forma de emancipação para populações tradicionais e marginalizadas. Apaixonada por fotografia, gastronomia e hip-hop.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano