Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Primeira loja exclusiva de bonecas negras do Brasil promove ações de impacto social

Marca criada em 2013 expandiu seus negócios voltados à valorização da identidade negra

30 de agosto de 2019

O desejo de viver em um mundo onde as crianças negras se sintam representadas impulsionou a empresária Jaciana Melquiades a criar a “Era Uma Vez o Mundo”, em 2013.

A primeira loja exclusiva de bonecas negras do Brasil supre a falta de representatividade no mercado de brinquedos. Somente no primeiro semestre deste ano foram comercializadas mais de 1 mil bonecas voltadas para a identificação de crianças negras.

A campanha “Cadê Nossa Boneca?”, realizada pela ONG Avante, denunciou a falta de representatividade na indústria e no comércio de brinquedos do país. Segundo o levantamento, apenas 6,5% das bonecas fabricadas em 2018 eram negras. De todos os modelos disponíveis para venda na internet, apenas 3% atendiam ao perfil de 55% da população, que se declara negra ou parda.

Para Jaciana Melquiades, os consumidores pressionam o mercado para que a produção de bonecas negras aumente, mas a indústria se recusa a atender essa demanda. “A ‘Era Uma Vez o Mundo’ existe para preencher essa lacuna do comércio”, afirma a empresária.

O trabalho passou a ter mais visibilidade em 2014, após a realização de uma exposição de bonecas inspiradas em 15 mulheres negras que compõem o coletivo Meninas Black Power.

A iniciativa fez a demanda por bonecas personalizadas aumentar. A maior parte dos consumidores são mulheres acima de 25 anos. “Elas nunca tiveram bonecas negras e as encomendam para, de certa maneira, resgatar a representatividade que não tiveram na infância”, conta Jaciana.

Para dar conta do crescimento do negócio, Jaciana Melquiades se inscreveu no programa “Shell Iniciativa Jovem”. A ação promove a geração de trabalho e renda e ajuda empreendedores a desenvolverem suas ideias com soluções criativas para as demandas do mercado.

A “Era Uma Vez o Mundo” ficou em terceiro lugar no projeto como empresa socialmente responsável. “Isso foi muito importante porque passamos a usar o selo da Shell em nossos produtos, o que abriu portas para o nosso trabalho”, destaca a empresária.

Em fevereiro deste ano, a empresa deixou de ser apenas virtual e ganhou uma loja física no centro do Rio de Janeiro. O ateliê permaneceu no bairro Santo Cristo, em torno da favela da Providência, onde vivem as três costureiras que confeccionam as bonecas.

“Essas mulheres realizam a maior parte do trabalho na casa delas para ficarem mais próximas dos filhos. Dessa maneira, elas conseguem dar conta das demandas familiares e das entregas da empresa”, explica Jaciana.

Responsabilidade social

Além dos brinquedos que suprem a falta de produtos voltados para as crianças negras, a “Era Uma Vez o Mundo” oferece a escolas o projeto “Eba”, com brincadeiras originárias da cultura africana. A empresa também realiza oficinas educativas baseadas em seus três livros infantis: “Super Black Power”, “Erê” e “Mariana”. Este último aborda a importância do turbante para a formação da identidade negra.

Em 2017, a Prefeitura do Rio de Janeiro adquiriu os livros para toda a rede de educação infantil. E realizou, junto a “Era Uma Vez o Mundo”, treinamentos com os professores para que eles conseguissem usar os materiais adequadamente.

A partir disso, Jaciana Melquiades teve a ideia de criar um curso para as escolas públicas da baixada fluminense. A iniciativa alcançou 24 mil alunos.

“Eu reuni 60 professores de diferentes cidades e ofereci um kit com nossos livros e o curso de formação. Os educadores criaram uma rede para trocar experiências e se tornaram multiplicadores dentro das escolas que trabalham”, lembra.

“Temos promovido transformações no olhar das pessoas que têm contato com o nosso trabalho e isso é o mais importante”, complementa.

  • Nataly Simões

    Jornalista de formação e editora na Alma Preta. Passagens por UOL, Estadão, Automotive Business, Educação e Território, entre outras mídias.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano