Pesquisar
Close this search box.

Racismo no futebol: “Falsa ideia de subordinação e dominação das pessoas pretas”, diz psicólogo

12 de novembro de 2019

Torcedor do Atlético e expulsão de Taison confirmam retrocesso social no futebol

Texto / Juca Guimarães | Edição / Pedro Borges | Imagem / Reprodução – Instagram

No último final de semana, dois casos de racismo em eventos esportivos geraram repercussão na opinião pública. Outra vez, o futebol foi cenário para os embates que há décadas permeiam a luta antirracista e o posicionamento que todos nós temos que ter diante do racismo.

“O futebol desde sua construção é um antro machista, onde é comum a incidência de situações de desordem legitimando poder, pois os sujeitos estão mais vulneráveis a externalizar suas emoções mais profundas”, disse o psicólogo Everton Mendes, da equipe de psicologia do Instituto Afro Amparo de Saúde.

Na Arena Mineirão, no jogo entre o Cruzeiro e o Atlético Mineiro, pelo Brasileirão, um torcedor atleticano fez declarações racistas e cuspiu no rosto de um segurança negro, contratado para evitar confusões entre as torcidas.

O torcedor fazia parte de um grupo que tentou invadir uma área restrita do estádio para provocar a torcida do Cruzeiro.

A cena chocante foi gravada e viralizou nas redes sociais. O torcedor branco usou a frase “Olha a sua cor” numa tentativa de ofender e menosprezar o segurança.

Em entrevista às rádios, o segurança anunciou ter feito boletim de ocorrência e disse ter ficado sem reação na hora. Apesar do treinamento exigido pela profissão, a ‘ficha caiu’ só depois que viu as imagens que circularam pela internet. Ele contou também que só pode limpar o rosto mais de meia hora depois da cusparada. Os colegas do segurança ficaram indignados com a agressão.

A Polícia Civil de Minas Gerais disse que identificou o torcedor do Atlético e que ele será acusado de injúria racial, com pena prevista de um a três anos, caso seja condenado. No entanto, o nome do torcedor não foi revelado.

O clube divulgou uma nota, no próprio domingo, lamentando o fato. O ex-jogador Reinaldo, atleta do clube durante os anos 70 e 80 e símbolo da luta antirracismo no Brasil, comentou em entrevista ao site do O Globo que o caso foi um episódio constrangedor: “rastaquera demais”.

O psicólogo Mendes comenta que a atitude do torcedor não foi uma reação tomada por emoção e sem raciocinar.

“As pessoas tendem a adaptar seus discursos a determinadas situações e contextos conforme as normas sociais vigentes. Sendo assim, o futebol desde sua construção é um antro machista, onde é comum a incidência de situações de desordem legitimando poder, pois os sujeitos estão mais vulneráveis a externalizar suas emoções mais profundas”, disse o psicólogo.

Por outro lado, Mendes destacou o aspecto positivo do discernimento demonstrado pelo segurança.

“A postura adotada pelo segurança coloca em xeque a segurança emocional do agressor que foi feita a partir do entendimento [falso] sobre subordinação e dominação de pessoas pretas. Ação essa que de forma inconsciente se apresenta como um gesto de resistência e altivez dele diante da branquitude”, disse Mendes.

Na Ucrânia, o craque Taison também tomou uma posição de altivez contra o racismo, mas não teve a empatia do árbitro e foi punido com um cartão vermelho.

Taison joga pelo Shakhtar Donetsk e disputava uma partida contra o Dínamo de Kiev quando torcedores adversários subiram o tom para ofensas racistas e fascistas.

O atleta brasileiro retrucou as ofensas e gesticulou para a torcida. Após a expulsão, ele saiu chorando do gramado.

Pelas redes sociais, o jogador deu uma resposta contundente citando Racionais MCs e Angela Davis.

“Amo minha raça, luto pela cor, o que quer que eu faça é por nós, por amor. Jamais irei me calar diante de um ato tão desumano e desprezível. Minhas lágrimas foram de indignação, de repúdio e de impotência. Impotência por não poder fazer nada naquele momento. Mas somos ensinados desde muito cedo a sermos fortes e a lutar. Lutar pelos nossos direitos e por igualdade. O meu papel é lutar, bater no peito, erguer a cabeça e seguir lutando sempre! Em uma sociedade racista, não basta não ser racista, precisamos ser antirracistas.”, escreveu.

O jogador Dentinho, também negro e colega de time do Taison, disse que por três vezes também foi xingado e que torcedores do Dínamo de Kiev imitavam macacos quando ele pegava na bola.

A psicóloga Beatriz Silva Machado dos Santos, da clínica Alethéia de psicologia, falou sobre o caso de racismo na Ucrânia e como o jogador deve ter se sentido.

“Jogar em um país estrangeiro é estressante. Exige adaptar-se a um idioma, comida, costumes, clima e ainda ter que lidar com o ‘desenraizamento’: ter que abandonar – mesmo que voluntariamente – a sua origem, sua família, seus amigos e a referência existente de vida em busca de possibilidades de um futuro melhor”, disse Beatriz.
A psicóloga afirma também que a agressão racista vai muito além de uma provocação.

“Ser vítima de racismo é extremamente traumático, principalmente nessas condições. É ser desumanizado, bestializado, violentado e humilhado longe dos seus. Entendo a reação agressiva como uma tentativa de se proteger de tamanha hostilidade e violência”, disse,

Beatriz lembrou também de um caso icônico que aconteceu em 1995, durante o campeonato inglês, envolvendo um jogador francês, que também teve uma reação radical.

“Não foi pensada, elaborada ou premeditada. Foi a resposta possível em meio a tanta dor. Quem não se lembra da famosa voadora dada por Eric Cantona há uns 24 anos atrás em um torcedor racista e dos afetos que nos provocam até hoje?”, disse.

Pela voadora no torcedor fascista, Cantona pegou oito meses de suspensão no futebol.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano