Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Seguidores de religiões de matriz africana crescem na América Latina

Pesquisas realizadas na Argentina e no Uruguai evidenciam aumento no número de adeptos
Imagem mostra adeptos de religiões de matriz africana durante oferenda à Iemanjá.

Foto: Rafael Martins / AFP

5 de fevereiro de 2024

Estudos sobre crenças religiosas na Argentina e no Uruguai apontam para um número crescente de pessoas que se identificam com as tradições e crenças de origem africana.

Segundo uma pesquisa conduzida pela socióloga uruguaia Victoria Sotelo, da Universidade da República, o percentual de pessoas que seguem uma religião de origem africana no país mais que duplicou em um período de 12 anos, alcançando 2,1% da população em 2020, em contraste com os 0,7% registrados em 2008.

Na Argentina, o aumento no número de adeptos parte de uma base mais reduzida. O instituto de pesquisas sem fins lucrativos Latinobarómetro identificou que, em 2023, 0,3% da população argentina afirmou praticar uma religião afro-americana por pelo menos seis anos, em comparação com 0,1% em 2008.

Em 2022, a Argentina incluiu formalmente uma pergunta sobre afrodescendentes em seu censo nacional. A medida foi vista como uma vitória pelos ativistas do país. 

Os esforços, contudo, ainda não conseguiram chamar a atenção do Estado argentino, com exceção de alguns órgãos dedicados a grupos marginalizados ou discriminados. Além disso, a construção de uma identidade coletiva entre os afrodescendentes ainda não teve avanços significativos.

A umbanda, assim como o candomblé, foi popularizada pela primeira vez no nordeste do Brasil e tem suas raízes no comércio transatlântico de pessoas escravizadas.

  • Mariane Barbosa

    Curiosa por vocação, é movida pela paixão por música, fotografia e diferentes culturas. Já trabalhou com esporte, tecnologia e América Latina, tema em que descobriu o poder da comunicação como ferramenta de defesa dos direitos humanos, princípio que leva em seu jornalismo antirracista e LGBTQIA+.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano