Pesquisar
Close this search box.

Tradução inédita: Angela Davis sobre Erika Huggins

8 de novembro de 2016

Texto: Angela Davis / Tradução: Jaqueline Conceição / Edição de Imagem: Vinicius de Almeida

Poesia, liberdade e revolução: o legado de Erika Huggins para a luta das mulheres negras no mundo

O texto a seguir foi extraído de uma das edições do jornal quinzenal produzido pelo Partido dos Panteras Negras nos Estados Unidos. Trata-se de uma apresentação do livro de poesias bibliograficas da militante negra Erika Huggins.

O texto foi escrito por Angela Davis e expressa toda a beleza, a singularidade, a força e a vivacidade das mulheres negras, que a partir de suas experiências pessoais, buscavam construir um mundo livre de opressão, seja de raça, seja de genero ou de classe.

As contribuições trazidas, em forma de poesia por Erika, no livro intitulado “Insigths and poems”, foi fundamental para o inicio da sistematização da luta das mulheres negras dentro do campo do feminismo.

O texto escrito por Angela Davis, no final da primavera de 1970, sobre sua camarada de luta Erika Huggins, é um brinde para nossos sentidos e reforçam a certeza de que sem amor, não pode haver luta.

Angela Davis apresenta o livro da camarada Erika Huggins
Jornal do Partido dos Panteras Negras
Edição de 26 de Maio de 1970 – Los Angeles/Califórnia – EUA

Tradução e revisão: Jaqueline Conceição da Silva (Mestra em Educação: História, Política, Sociedade pela PUC-SP, Articuladora e Professora pelo Coletivo DI Jejê).

Jornal Texto Erika Huggins

Ericka é uma revolucionária. Para muitos que devem contar com as fantasias elaboradas pelos meios de comunicação, onde se conta que um revolucionário é um ser humano sem paixão, que pouco se importa com a humanidade e está se esforçando para implementar objetivos de poderes e dominação. Para os meios de comunicação, controlados pela burguesia, a vida de um revolucionário ou uma revolucionária seria totalmente incompatível com um amor humano multi-dimensional e com a compaixão; assim, o amor passou a ser visto como algo restrito aos mundos irreais do pacifista romântico, sonhador utópico ou mulher / homem apaixonado.

Mas, a beleza e humanidade da poesia de Ericka nos ensina exatamente o contrário. Sua poesia eleva a vida, o amor e a revolução para o domínio da arte, sem nunca os encerrando em um reino estético impenetrável. Como arte, ele pode ter um forte impacto sobre o mundo real da pobreza, do racismo, da alienação que já foi poeticamente transformado.

A publicação destes poemas é singularmente importante, não só porque eles transmitem a essência de uma mulher negra, mas também porque a imagem estereotipada do revolucionário é um golpe significativo nestas páginas. Cerca de quatro anos se passaram desde que eu conheci Ericka, durante um período de pico das atividades no Movimento de Libertação Negra. Mais tarde, eu trabalhava em uma base com a unidade de Los Angeles do Partido dos Panteras Negras, e sua liderança foi fundamental: ajudou o impulso de um coletivo em busca de liberdade. Eu posso vê-la agora: seu corpo em crescimento, com o bebê em sua barriga, o escritório central pulsando com sua presença. (O escritório L. A. mais tarde foi demolido durante uma batida policial fascista). Ericka sempre recebia novas irmãs e irmãos que desejavam unir-se em direção à libertação, amor e solidariedade.

Alguém poderia pensar que as pessoas negras, tendo crescido sob influências opressivas dos brancos americanos, teriam se tornado incapazes de expressar sentimentos de afeto e amor para com aqueles que supostamente são estranhos. Mais Ericka tinha uma maneira de se relacionar com outras pessoas e, especialmente, os que ainda não faziam parte do Partido dos Panteras Negras, que quase poderia trazer lágrimas aos seus olhos: lágrimas ao mesmo tempo felicidade e dor – felicidade por causa das ligações coletivas fortes que ela estava criando e de dor, porque cada vez que sentiamos o amor em nosso ser, lembrávamos do quanto ainda precisávamos lutar para romper com o que o racismo, a exploração, o machismo e a violência, nos legou como herança.

Ericka sempre foi incisiva e defendia ferozmente as nossas aspirações para a Libertação dos pretos e das pretas. Ela discutia com muito amor sobre os processos de organização revolucionário, que os oprimidos do mundo todo, vêem travanado em seus países. Ao fazer isso, ela nunca foi fria e manipuladora, na forma como o opressor nos significa com seus estereótipos propagandísticas. Ericka estendeu a mão para os outros; fazendo com que esses movimentos políticos assumissem imediatamente intensos contornos pessoais. O pessoal não diminuiu o impacto da política, pelo contrário, deu novas dimensões, novas faíscas de vida a um movimento cujo sucesso depende muito da profundidade e da solidariedade humana para anima-lo. Quando eu passei um breve período trabalhando e viajando em Cuba, a beleza indescritível das pessoas lá, o amor que os soldados emanam em conjunto nos esforços comuns para o socialismo evocou em mim memórias de Ericka.

Naquela época, ela foi trancada na prisão Niantic, onde esrceveu muitos dos poemas contidos no presente volume. A partir do momento que conheci Ericka, ficou claro para mim que seu compromisso era autêntico e total. O mesmo deve ser dito de outros excelentes revolucionários negros desta era, que foram brutalmente arrancados do seu povo. Refiro-me a George Lester Jackson, que amou e lutou para “todos os inocentes.” O amor e a luta eram os únicos, mas infinitamente ricos sentidos da existência de George, expressando-se em sua convincente defesa literária dos oprimidos. Grande parte de George agora vive em Ericka.

Ericka passou mais de dois anos de prisão sem direito à fiança, a espera de um julgamento cujo resultado revelaria a retaliação política e a repressão inerente à acusação de si mesma e Bobby Seale.

Seus poemas revelam uma miríade de experiências de vida na prisão e são uma crítica feroz e persuasiva sobre o impacto especial do sistema penal sobre as mulheres. Nos últimos meses, muitos episódios cruciais na continuidade da libertação se desenrolaram em torno de prisões. Estes incidentes têm incorporado a intensidade particular que flui das características brutais do próprio sistema prisional.

Em 07 de agosto de 1970, prisioneiros se revoltaram numa convincente necessidade de expor e contestar a opressão e a repressão, tidas como a rotina “normal” da vida na prisão.

Em 21 de agosto de 1971, George Jackson, nosso líder, foi finalmente atingido por aqueles que tinham implacavelmente o perseguido e os ideais revolucionários que ele representava e eram transmitidos através de seus escritos e prática. Outros revolucionários em San Quentin foram indiciados. Dias depois, a penitenciária de Attica irrompeu numa revolta, como que para provar que a repressão na prisão não poderia desmontar e destruir os desejos e os esforços para quebrar as correntes da falta de liberdade.

Em meio às agitações e explosões de tensões e contradições nas prisões em todo o país, as prisões das mulheres e os problemas específicos das mulheres presas são ainda largamente ignorados. Neste contexto, a importância da poesia de Ericka adquire outra dimensão.

Muitos de seus poemas estão se movendo, evocando aspectos das realidades visíveis, bem como aqueles que são sutis e invisíveis, que é a realidade das mulheres na prisão, tornando a opressão consciente. Assim devemos nos esforçar cada vez mais para combater e transfigurar essa realidade de dor e sofrimento. A canção do Coletivo Sisterlove evoca a solidariedade fraternal, o caminho comum para a consciência e, afiado a partir das vissicitudes de cativeiro, ressignifica suas motivações e práticas do amor e luta. As mulheres estão quebrando as correntes. Ericka é uma mulher presa. Ericka é uma mulher negra.

Para todos os clichês e mitos através dos quais nós, mulheres negras, somos intensamente condicionadas e duas vezes mais oprimidas, Ericka e seus poemas são uma desmistificação da nossa invisibilidade. Tais clichês foram convocados para desacreditar, mas os transformamos numa força incrível com a qual as mulheres negras têm de se contrapor, que é o sofrimento e a opressão interminável. Para esta força e realidade, os poemas de Ericka são um testemunho incontestável. Eles fornecem vislumbres marcantes em uma viagem dolorosa: o assassinato de Jon, seu marido camarada, quando Mai, sua filha, tinha apenas algumas semanas de idade; a prisão de Ericka e sua vida de dois anos no cárcere.

Esta dor, a dor da escrava, de Rosalee Ingram, de Gist Norma, das mulheres pretas presas, de mulheres negras em todos os lugares, é repetidamente dita como uma força cada vez mais indomável. Este é o processo em que a resistência em seu mais alto nível está enraizada. Esta é a experiência exemplar de mulheres negras, o grupo mais oprimido de cidadãos norte americanos. Os poemas de Ericka atestam fontes profundas e poderosas de energia, amor e orientação revolucionária que, totalmente liberada, certamente podem começar a quebrar a órbita de opressão.

 Serviço:

O Coletivo Cultural Dijejê oferece curso de formação sobre os Panteras Negras. Essa e outras obras fazem parte da bibliografia do curso.

As incrições podem ser feitas aqui. Para mais informações sobre o curso, leia a matéria do Alma Preta.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano