Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Silvana Bahia é a única negra indicada a prêmio de tecnologia

Fundadora do PretaLab, iniciativa de inclusão de mulheres negras e indígenas na tecnologia, Silvana Bahia concorre ao prêmio "Embaixador e Protagonista Brasil, País Digital"

Texto: Redação | Foto: Divulgação/Valda Nogueira

Silvana Bahia

18 de agosto de 2021

A Co-Diretora do Olabi e Fundadora do PretaLab, Silvana Bahia concorre ao prêmio “Embaixador e Protagonista Brasil, País Digital”, iniciativa do Movimento Brasil, País Digital, que reconhece lideranças que foram destaques na área da tecnologia inclusiva e na transformação digital em 2021. A votação fica aberta até o dia 27 de agosto e o resultado será divulgado no dia 16 de setembro. (Clique aqui para votar)

Silvana Bahia é natural do Rio de Janeiro e a única mulher negra entre as dez candidatos concorrentes. A pesquisadora foi selecionada a partir dos três critérios para a premiação: “Difusão e valorização de ações sociais e/ou governamentais que promovam educação, transformação digital e inovação no Brasil”, “Engajamento em causas voltadas ao processo de formulação de políticas públicas da área de tecnologia; e “Concepção e implementação de projetos de escala que possam ser incorporados pela sociedade, com o objetivo de democratizar o acesso e o conhecimento técnico e tecnológico de plataformas e aplicações digitais”.

Na Olabi, organização social focada em inovação, tecnologia e diversidade, Silvana Bahia atua como diretora. A empresa funciona como um espaço de criação para o desenvolvimento de projetos com foco na solução de problemas locais e globais a partir dos meios digitais acessíveis. Também é por meio da iniciativa que ela coordena a PretaLab, voltada para a inclusão, estímulo e impulsionamento das mulheres negras e indígenas na tecnologia do presente futuro.

Silvana também é mestre em Cultura e Territorialidades pela Universidade Federal Fluminense (UFF), pesquisadora associada do grupo de arte e Inteligência Artificial da Universidade de São Paulo (USP) e do grupo de pesquisa em Políticas e Economia da Informação e Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

A pesquisadora é ainda integrante dos conselhos das organizações Gênero e Número, Coding Rights, Datalabe, Mulheres Negras Decidem, Instituto Museu Itamar Assumpção, Instituto Coca-cola, Programadores do Amanhã, Instituto Solar dos Abacaxis e do Conselho Científico do Museu do Amanhã.

Leia também: 

Sil Bahia: A tecnologia vai além do digital, está também no banho de ervas

Startup de inteligência de dados valoriza mulheres negras no mercado de tecnologia

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 152

EP 151

Cotidiano