Pesquisar
Close this search box.

Viúva de João Alberto recusa indenização ofertada pelo Carrefour

O valor oferecido de R$ 1 milhão foi comparado com a quantia paga pela multinacional no caso do cachorro Manchinha, morto em 2019 na unidade de Osasco

Texto: Redação | Imagem: Yago Rodrigues

3 de abril de 2021

Milena Borges Alves, viúva de João Alberto Freitas, homem negro assassinado por seguranças do hipermercado Carrefour em Porto Alegre no ano passado, recusou a proposta de indenização oferecida pela empresa. O valor proposto no acordo era de R$ 1 milhão, de acordo com o advogado de Milena, Carlos Barata.

Os advogados da viúva de João Alberto criticaram o valor oferecido pela multinacional comparando o valor oferecido de indenização pela quantia paga pelo Carrefour após a morte do cachorro Manchinha, agredido por um segurança na sede da rede em Osasco, em 2019.

“Não podemos deixar de comparar o Manchinha com o Nego Beto (apelido de João Alberto). Parece grosseiro fazer este comparativo, mas torna-se impossível não traçar um paralelo, pois parece que, para o Carrefour, o valor dado a vida de um cachorro e de um ser humano é exatamente o mesmo”.

De acordo com reportagem do UOL, os advogados de Milena devem entrar com na justiça e cobrar entre R$ 10 milhões e R$ 15 milhões, sendo metade do valor total por indenização de danos morais e a outra metade por dano material.

Segundo o Carrefour, acordos de indenização já foram fechados com quatro filhos, enteada e neta da vítima. O pai e a irmã de João Alberto já receberam o valor proposto. A rede em uma nota afirmou que o único acordo não firmado é o de Milena, que insiste por valores “não razoáveis e fora dos patamares jurisprudenciais”.

Confira também:

Advogados apontam tentativas de culpar João Alberto pelo próprio assassinato no Carrefour

Esposa de Beto, morto no Carrefour, relata medo de sair de casa por trauma

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano