Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Carnavalescos brancos são maioria em escolas de samba com enredos afro

Levantamento realizado pela Alma Preta Jornalismo fez uma análise das escolas dos grupos especiais de São Paulo e Rio de Janeiro

Foto: Rodrigo Souza/Expresso Carioca

Foto: Foto: Rodrigo Souza/Expresso Carioca

17 de fevereiro de 2023

No Carnaval deste ano, a maioria das escolas de samba com enredo afro foi produzida exclusivamente por carnavalescos brancos. O levantamento, realizado pela Alma Preta Jornalismo, fez uma análise das escolas dos grupos especiais de São Paulo e Rio de Janeiro.

Em São Paulo, os desfiles aconteceram sexta-feira (17) e sábado (18). Das 14 escolas que se vão apresentar pelo grupo especial, seis abordaram temáticas relacionadas à identidade ou cultura afro-brasileira, sendo que desse total, quatro carnavalescos foram identificados como brancos.

Já no Rio de Janeiro, onde os desfiles começaram neste domingo (19), das 12 escolas do grupo especial, sete terão enredo afro ou com homenagem às personalidades negras do samba. Em relação aos carnavalescos, cinco escolas foram produzidas exclusivamente por pessoas brancas. Já outras duas escolas foram produzidas por carnavalescos identificados como brancos e negros.

Nas apresentações deste ano, as escolas também levarão para o sambódromo homenagens aos principais nomes do samba brasileiro, como Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz e Bezerra da Silva.

Confira abaixo as demais escolas de samba que terão enredo com temática negra:

Império Serrano (RJ)

Com o tema “Lugares de Arlindo”, no Carnaval deste ano a escola se inspira na trajetória do cantor Arlindo Cruz. A escola, que venceu a Série Ouro no ano passado, irá apresentar destaques que marcaram a carreira do artista, além de levar para a pista elementos na ancestralidade e religiosidade do sambista.

Acadêmicos da Grande Rio (RJ)

Neste ano, a campeã do Carnaval 2022, Acadêmicos do Grande Rio, levará para o sambódromo o tema “Ô Zeca, O Pagode Onde É Que É? Andei Descalço, Carroça E Trem, Procurando Por Xerém, Pra Te Ver, Pra Te Abraçar, Pra Beber E Batucar”, baseado na composição do sambista Zeca Pagodinho com Jorge Aragão, “Zeca, Cadê Você”.

No ano passado, a Grande Rio levou a vitória com o enredo “Fala, Majeté! Sete chaves de Exu”, com performances voltadas para desmistificar o orixá, ligado às religiões de matriz africana. Foi o primeiro título conquistado pelo Tricolor.

Unidos da Tijuca (RJ)

O tema “É Onda Que Vai… É Onda Que Vem… Serei A Baía De Todos Os Santos A Se Mirar No Samba Da Minha Terra” foi inspirado na composição de Julio Alves, Claudio Russo e Tinga e contará histórias que representam a Baía de Todos-os-Santos, com homenagem aos orixás, santos, tupinambás e caboclos.

Estação Primeira de Mangueira (RJ)

“As Áfricas Que A Bahia Canta” é um enredo que irá destacar o protagonismo feminino e apresentar a musicalidade baiana através dos cortejos afros. A proposta é levar, através da musicalidade, as diversas “Áfricas” existentes na Bahia.

Portela (RJ)

Neste Carnaval, a escola tem como enredo “O Azul Que Vem Do Infinito”, em homenagem ao centenário da agremiação, a primeira escola de samba a atingir 100 anos de existência. Além disso, terá como homenageados cinco nomes importantes para a agremiação, como Paulo da Portela, Dodô, Natal, David Corrêa e Monarco. A orixá da escola, Oxum, também será representada no sambódromo.

Beija-Flor de Nilópolis (RJ)

Em busca da 15ª vitória, a escola apresenta o enredo “Brava Gente! O Grito Dos Excluídos No Bicentenário da Independência”, a agremiação tem como mensagem principal um novo olhar sobre a independência do Brasil ao exaltar e reconstruir a história a partir dos povos originários historicamente excluídos, como indígenas e africanos. Além de Neguinho da Beija-Flor, neste ano a escola terá como intérprete a cantora Ludmilla.

Unidos do Viradouro (RJ)

O vermelho e branco vai contar a vida e obra de “Rosa Maria Egípcia”. Trazida da África para o Brasil em 1925, ela foi a primeira mulher negra a escrever um livro no país e era conhecida por seu dom de visões. Durante os cultos religiosos que fazia, a beata reunia elementos cristãos com afro-brasileiros e por isso, em 1762, foi considerada herege e denunciada ao Tribunal de Santa Inquisição de Lisboa. Rosa Maria faleceu em 1771, por causas naturais.

Mocidade Alegre (SP)

Dez vezes campeã do Grupo especial, para o carnaval deste ano, a escola terá com tema o primeiro samurai negro: Yasuke, juntando as culturas do Japão e Brasil em São Paulo, além de levantar discussões sobre discriminação racial e adversidades cotidianas enfrentadas pelos “Samurais da Quebrada”, como define o enredo da escola.

Império de Casa Verde (SP)

O enredo “Império dos Tambores – Um Brasil Afromusical” levará para a avenida uma história sobre a influência da ancestralidade e representatividade na construção musical do Brasil através de tambores africanos.

Acadêmicos do Tucuruvi (SP)

Conhecido por sucessos como “Malandro É Malandro E Mané É Mané”, “Sequestraram minha sogra” e “Bicho Feroz”, Bezerra da Silva é o homenageado da agremiação, que irá reviver a história do sambista que, através das suas letras, denunciou temáticas que atravessam a vida da população periférica. O tema “Da Silva, Bezerra. A Voz do Povo!” tem como objetivo representar um pouco do sambista em cada cidadão brasileiro.

Gaviões da Fiel (SP)

O enredo “Em Nome do Pai, dos Filhos, dos Espíritos e dos Santos… Amém!” tem como objetivo levar uma mensagem de paz, amor e união entre as religiões e de combate à intolerância religiosa.

Tom Maior (SP)

A agremiação levará para a avenida o enredo “Um Culto Às Mães Pretas Ancestrais”, em homenagem às mães pretas brasileiras através da relação espiritual, de cuidado e ensinamento. Além disso, a escola também deve apresentar um desfile colorido, com representação de alguns orixás.

Rosas de Ouro (SP)

O enredo “Kindala! Que O Amanhã Não Seja Só Um Novo Nome” terá como principal mensagem a busca por respeito e igualdade racial através da resistência negra, além de exaltar a luta e conquistas do povo negro.

Leia também: Brancos são maioria entre os presidentes das escolas de samba em 2023

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 152

EP 151

Cotidiano