Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Guilherme Anacleto faz releitura de obra de Beyoncé e Kendrick Lamar

6 de dezembro de 2016

Entrevista: Pedro Borges / Entrevistado: Guilherme Anacleto

Guilherme Anacleto, jovem negro, idealizou o vídeo “Freedom”, uma releitura da música lançada por Beyoncé, em parceria de Kendrick Lamar. O vídeo foi publicado no dia 24 de Novembro, quinta-feira, durante a semana da Consciência Negra.

A letra da música fala sobre liberdade e o conceito do vídeo gira em torno disso também, da liberdade que nós, negros, precisamos e lutamos para atingir todos os dias. A ideia é expor as violências diárias sofridas por negras e negros.

Como foi o processo de filmagem e edição?

As gravações aconteceram num sábado e foi tudo feito num clima bastante aconchegante. As emoções vieram à tona já que, cada vez que chegava uma pessoa pra gravar, as histórias e os relatos de racismos vinham.

Teve muita emoção e a energia estava incrível. Me senti fortalecido e parte de algo maior enquanto eu via a dor e o pesar nos olhos de cada um antes e durante a gravação. Abracei um por um dos meus convidados após a gravação de cada um deles e esse abraço representou mais do que um agradecimento, representou uma mão estendida e uma troca pra que ambos pudessem se sentir entendidos e acolhidos na luta contra o racismo.

Qual a importância de negras e negros denunciarem as violências que sofrem durante a vida?

Eu sinto que muitas pessoas não têm conhecimento da gravidade que algumas palavras e expressões têm para o povo negro. Muitos se surpreendem, por exemplo, quando descobrem que “denegrir” é um termo pejorativo e não deve ser usado. Minha motivação veio da intenção de que esse vídeo acendesse uma luz no coração e na mente das pessoas no intuito de fazê-las aceitar que o racismo ainda existe sim e que, só assim, aceitando sua existência, poderemos combatê-lo.

Qual a importância de uma maior e melhor representatividade preta no audiovisual?

O negro tem menos espaço, em diversas funções. Então a ideia é trazer pra dentro de todo e qualquer lugar de mídia, uma maior representatividade do negro, pois o exemplo deve ser instalado pra que venham mais e mais pessoas.

Quando eu era pequeno eu não via muitos negros com papéis de importância social na TV, por exemplo, e como eu queria ser “famoso” desde pequeno, não me via com muitas chances, mas hoje, os tempos estão mudando e há muito mais negros em diversas situações na TV. Eles servem como incentivo para que o espaço seja dividido mais democraticamente.

Hoje temos personagens de escravos interpretados por negros mas também temos top models, donos de empresas, pessoas de visibilidade e em ascensão social, o que reflete diretamente no olhar crítico da sociedade em geral.

Quais os objetivos que você pretende atingir com o vídeo?

Cada vez que uma pessoa vir esse vídeo e se sentir desconfortável por usar qualquer uma daquelas expressões, meu trabalho terá surtido efeito. Cada vez que uma pessoa for educada com o conteúdo do vídeo, o racismo terá perdido um pouco mais a sua força. Cada vez que alguém conseguir compreender minimamente como é sofrer racismo, mesmo que não sinta na pele, haverá um racista em potencial a menos no mundo.

O mundo muda com a nossa palavra, mas muda muito mais com a nossa atitude e essa desconstrução do ser humano precisa ser um trabalho diário. Além disso, também pretendo que o meu canal consiga crescer. Não pretendo parar com esse tipo de publicação, pelo contrário, quero atingir as pessoas através da minha arte.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 152

EP 151

Cotidiano