Pesquisar
Close this search box.

Documentário conta história de Zélia Amador, 1ª reitora negra de uma universidade

A artista, professora, pesquisadora e militante pelo movimento negro, Zélia Amador de Deus, será homenageada em curta-metragem; “Amador, Zélia” será exibido nesta segunda-feira (13) gratuitamente 

Texto: Redação I Imagem: Divulgação 

Histórias da primeira reitora negra em uma universidade brasileira é tema de documentário

13 de setembro de 2021

Um dos nomes mais expoentes na luta antirracista e pelos direitos da população negra, a paraense Zélia Amador de Deus terá um filme em sua homenagem. O curta-metragem “Amador, Zélia”, de gênero documental, narra suas vivências enquanto mulher negra. Referência também na luta dos povos quilombolas, indígenas e pessoas LGBTQIA+, Zélia terá sua história mais conhecida nas telas partir desta segunda-feira (13). 

Filha de uma empregada doméstica natural da ilha do Marajó, no Pará, Zélia Amador é professora da Universidade Federal do Pará, coordenadora da Assessoria de Diversidade e Inclusão Social, atriz, diretora de teatro e ativista do Movimento Negro. Foi uma das fundadoras do Centro de Estudo e Defesa do Negro no Pará (Cedenpa) e do Grupo de Estudos Afro-Amazônicos (GEAM-UFPA). Foi presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores Negro, participou da criação do sistema de cotas negras nas universidades e, dentro do ambiente acadêmico, recebeu o título de primeira reitora negra do país. 

Para retribuir a sua contribuição e espalhar os seus feitos – principalmente em tempos de conservadorismo e retrocessos políticos -, o diretor Glauco Melo e o roteirista Ismael Machado fundem os relatos da homenageada com recortes de sua vida em uma dramatização simulando um monólogo teatral e inserção de animações. Ao todo, o filme conta com 24 minutos. 

Leia também: Curta de cineasta pernambucana conta a história de uma bailarina com transtorno Borderline

Em trailer divulgado nas redes sociais, é possível ouvir um trecho da fala de Zélia pontuando a sua relação com a autoestima, enquanto mulher negra, e seu processo de aceitação. “O black power foi a minha libertação. O meu cabelo cresceu, foi-se. Bem, eu tinha orgulho do meu black, aí passei a me aceitar e a entender que esse meu corpo tem uma história, história de um povo que foi vilipendiado, história de um corpo que carrega história”, conta. 

Para esses e outros depoimentos, o filme estará disponível a partir das 19h, de forma gratuita, no canal do YouTube da produtora Floresta Urbana. “Amador, Zélia” contou com incentivo da Lei Aldir Blanc, via Secretaria de Cultura do Pará. Assista pelo no canal da produtora Floresta Urbana.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano