Pesquisar
Close this search box.

Personalidades históricas recebem homenagem no berço do samba de São Paulo

samba_grafite

7 de janeiro de 2021

Largo da Banana, na Barra Funda, agora tem um mural com as imagens do Dadinho, da Camisa Verde e Branco, e da madrinha Eunice, que fundou a escola Lavapés

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Juca Guimarães/Alma Preta

 O samba de São Paulo tem local de nascimento. Foi no largo da Banana, na Barra Funda, zona oeste da cidade, que o ritmo com forte influência africana e de tradições do interior paulista se desenvolveu no final do século 19, ao lado da estação de trem.

No último dia de 2020, a memória do samba paulistano foi reforçada com um grafite em homenagem ao sambista Dadinho, da Camisa Verde e Branco, e da madrinha Eunice, que fundou a escola de samba mais antiga e ainda em atividade da capital, a Sociedade Recreativa Beneficente Esportiva Escola de Samba Lavapés, em 9 de fevereiro de 1937, na Baixada do Glicério, região central.

“O seu Dadinho é um baluarte vivo da história do samba e a madrinha Eunice foi pioneira. A primeira mulher a comandar uma escola de samba, inclusive a primeira escola da cidade”, conta o grafiteiro Malaca, 34 anos, um dos três artistas envolvidos no projeto.

Deolinda Madre, nome de batismo da madrinha Eunice, nasceu em outubro de 1909, na cidade de Piracicaba, onde aprendeu o batuque de umbigada, tradição afro-brasileira do interior do Estado.

O mural fica bem embaixo do viaduto Pacaembu, no início da rua Barra Funda, onde era o largo da Banana. No dia 22 de janeiro de 2020, a Prefeitura de São Paulo colocou uma placa comemorativa no local e o sambista Dadinho foi quem inaugurou o marco. A placa diz: “Largo da Banana: Ponto inicial do samba paulistano, o largo que aqui havia recebeu, a partir do final do século 19, estivadores negros reunidos em roda de samba duro e tiririca, capoeira de paulista sambada”.

“O samba é um marco importante da cultura africana e afro-brasileira. O mural tem também a figura do engraxate e outras referências à história do samba na cidade”, reitera Malaca.

Além da Malaca, que é artista plástico da zona oeste da capital, participaram da concepção e execução do mural os grafiteiros Sapiens e Joks Johnes, ambos da zona norte. O projeto é parte da iniciativa ‘Cultura do Lixo’, que leva grafites para muros da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) para pontos viciados de descarte irregular de lixo.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano