Pesquisar
Close this search box.

Quando haverá pluralidade audiovisual no Brasil?

13 de agosto de 2018

Aloysio Letra, articulador cultural, compositor, cantor, cineasta e blogueiro no blog Negrume, questiona em artigo sobre os motivos pelos quais há baixa presença de profissinais negros em produções audiovisuais e como o racismo estrutural está presente nesse mercado

Texto / Aloysio Letra
Imagem / Pexels

Você se lembra de ter assistido a programas de televisão, séries de TV ou filmes nacionais em que negros e indígenas eram protagonistas? Lembra!? Quais desses personagens dos quais se lembrou estão fora de estereótipos racistas? Imagino que bem poucos.

Qualquer pessoa adulta e sensata que comparar os conteúdos audiovisuais de outros países aos do Brasil verá que a população negra e indígena está muito mal representada nas produções audiovisuais brasileiras.

Uma olhada rápida nos canais de TV por assinatura, nas principais mostras de cinema e nos serviços de streaming atuais atesta o audiovisual brasileiro como um dos menos diversos do ponto de vista étnico-racial. E, infelizmente, poucos são os acenos de mudança nesse cenário, especialmente no ramo televisivo.

Em janeiro deste ano foi divulgado um estudo da ANCINE sobre a diversidade de gênero e raça no audiovisual cinematográfico que aponta haver baixa presença negra e feminina no setor.

De acordo com este estudo, no período de 2016, homens brancos estão na direção de 75,4% dos longas-metragens e mulheres brancas assinam a direção de 19,7% dos filmes, enquanto apenas 2,1% foram dirigidos por homens negros. Nenhum filme em 2016 foi dirigido ou roteirizado por uma mulher negra, o que faz as populações negras e indígenas estarem também sub-representadas à frente das telas, sobretudo as mulheres negras e indígenas.

A pauta para visibilizar positivamente negras e negros no audiovisual é muito antiga. Remonta aos anos 1970, com o trabalho do ator e cineasta Zózimo Bulbul, e ao fim da mesma década, com a criação do MNU (Movimento Negro Unificado), quando foram feitos muitos enfrentamentos importantes.

No fim do século XX, o movimento Dogma Feijoada pautou uma nova perspectiva e abordagem técnica que considera a subjetividade negra e que garantia o protagonismo desta população, no que seria uma espécie de cinema negro independente e de guerrilha.

Em 2000, o cineasta Joel Zito Araújo lançava o livro e documentário “A negação do Brasil”, longa que critica os estereótipos de representação da população negra nas novelas no período de 1963 a 1997.

Os movimentos sociais negros também reivindicaram, no início do século XXI, que o Estatuto da Igualdade Racial legislasse sobre a obrigatoriedade de ter, pelo menos, 20% dos atores e figurantes negros em filmes e programas de televisão.

Infelizmente, a branquitude dos poderes legislativos brasileiro vetaram o trecho e a medida acabou não passando. O Estatuto da Igualdade Racial (Lei Federal 12.288 de 2010) é insuficiente para tratar as consequências do racismo cultural e o documento oficial tornou-se apenas um conjunto de princípios pouco ou nada aplicados ao cotidiano da população.

Nos últimos dois anos, cada vez mais se discute a necessidade de medidas afirmativas no audiovisual brasileiro com regramentos específicos para o setor. No cenário atual, mulheres negras estão na vanguarda, atuando em todo o Brasil em redes de atuação cada vez mais potentes.

Pelo Brasil surgem diversos coletivos negros de audiovisual e, neste mesmo período, foi criada uma organização nacional do audiovisual negro, a Associação dos Profissionais do Audiovisual Negro APAN (Associação dos Profissionais do Audiovisual Negro), que conta com sedes na Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo. A APAN é uma das articulações institucionais que vem promovendo o debate nas produtoras e na sociedade civil, algo urgente nestes tempos de crise do pós-golpe institucional brasileiro.

Em 5 de julho foi apresentado um projeto de lei para reserva de vagas a negros, indígenas e mulheres. Segundo o projeto, dos recursos federais para o setor audiovisual, 35% serão destinados a negros e 15%, a indígenas. Em ambas reservas de vagas haverá paridade de gênero, ou seja, do percentual da reserva, metade dos recursos será destinada a mulheres negras e indígenas.

Seria esta, enfim, uma esperança de mudança? Com o fim da Copa do Mundo e as atenções se voltando para as eleições que estão por vir, perguntamos quando as cenas do próximo capítulo poderão ser mais plurais. Quando, Brasil?

 

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano