Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Brasil e outros 23 países cobram cessar-fogo imediato em Gaza

Países latino-americanos e caribenhos emitiram uma declaração conjunta mostrando preocupação com a situação humanitária na região
Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante sessão Plenária da 8ª Cúpula da CELAC, em Kingstown, São Vicente e Granadinas. Durante a cerimônia, o líder endossou uma carta de cessar-fogo emitida pelo Brasil e outros 23 países latino-americanos e caribenhos.

Foto: Ricardo Stuckert/PR

4 de março de 2024

O Brasil e outros 23 países que integram a Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) emitiram uma declaração conjunta por um cessar-fogo imediato na Faixa de Gaza e por uma efetiva entrada de ajuda humanitária para frear os ataques do governo de Israel contra o estado palestino, controlado pelo grupo Hamas.

“Conscientes da intransigência refletida nas declarações do governo de Israel e do agravamento da crise humanitária em Gaza, deploramos o assassinato de civis israelenses e palestinos, incluindo os cerca de 30 mil palestinos mortos desde o início da incursão de Israel em Gaza, e manifestamos profunda preocupação com a situação humanitária catastrófica na Faixa de Gaza e com o sofrimento da população civil palestina”, diz a declaração.

O texto é assinado pelos chefes de Estado e de Governo de Antígua e Barbuda, Bahamas, Barbados, Belize, Bolívia, Brasil, Colômbia, Cuba, Chile, Dominica, República Dominicana, Granada, Guiana, Haiti, Honduras, Jamaica, México, Nicarágua, São Cristóvão e Nevis, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Suriname, Trinidad e Tobago e República Bolivariana da Venezuela. Todos estiveram reunidos na última sexta (1) em São Vicente e Granadinas durante a VIII Cúpula da CELAC.

“Deploramos o assassinato de civis israelenses e palestinos, incluindo os cerca de 30.000 palestinos mortos desde o início da incursão de Israel em Gaza, e manifestamos profunda preocupação com a situação humanitária catastrófica na Faixa de Gaza e com o sofrimento da população civil palestina”, indica o primeiro dos seis tópicos listados no documento.

A declaração de cessar-fogo cita ainda casos em curso na Corte Internacional de Justiça para determinar se a ocupação continuada do Estado da Palestina por Israel constitui violação do direito internacional e se o ataque de Israel a Gaza constituiria genocídio.

Os países também enfatizam a exigência de libertação imediata e incondicional de todos os reféns, e reiteram a solução de dois Estados, Israel e Palestina, vivendo lado a lado dentro de fronteiras seguras e reconhecidas.

Lula lembra mortes em Gaza

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fez um discurso com perspectivas similares ao texto assinado pelos 24 países. Lula argumentou que a “tragédia humanitária em Gaza requer de todos a capacidade de dizer um basta para a punição coletiva que o governo de Israel impõe ao povo palestino”.

O presidente lembrou episódios em Gaza, de mortes de civis palestinos que estavam na fila para obter comida e ajuda humanitária. Em sua fala, o líder brasileiro afirmou que “a indiferença da comunidade internacional é chocante” e aproveitou a presença do secretário-geral da ONU para propor uma moção pelo fim imediato do genocídio.

  • Giovanne Ramos

    Jornalista multimídia formado pela UNESP. Atua com gestão e produção de conteúdos para redes sociais. Enxerga na comunicação um papel emancipatório quando exercida com responsabilidade, criticidade, paixão e representatividade.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano