Pesquisar
Close this search box.

Carta do Movimento Negro contra pacote anticrime de Moro tem apoio internacional

16 de julho de 2019

Para as organizações internacionais, as propostas de Sérgio Moro não combatem a violência e deixam as pessoas negras em condição de maior fragilidade

Texto / Lucas Veloso | Edição / Pedro Borges | Imagem / Reprodução 

No último 5 de julho, o Movimento Negro entregou carta ao presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre, com pedido de apoio nas audiências públicas sobre o Projeto de Lei do Senado 1864/2019.

Além do Movimento Negro, a carta possui centenas de assinaturas, entre elas, entidades da Argentina, Canadá, Colômbia, República Dominicana, Peru, Uruguai, Venezuela e Estados Unidos, e também intelectuais americanos e da Nigéria.

Para Juliana Góes, doutoranda na Universidade de Massachusetts – Amherst e integrante da Articulação Regional de Afrodescendentes de América Latina e Caribe, o fato de organizações do exterior questionar a proposta demonstra a falta de legitimidade do pacote.

“Este apoio demonstra o quão problemática é a proposta de Moro. A violência no Brasil chama atenção da comunidade internacional. O projeto ignora completamente dados e sugere medidas que criminalizam mais ainda a população negra e aumentam a violência sobre este setor”, define.

Pacote anticrime de Moro

O pacote em questão é mais conhecido como o ‘pacote anticrime de Moro’, atual ministro da Justiça. O objetivo do documento é chamar atenção de Alcolumbre para a segurança pública brasileira.

“O projeto modifica a definição de legítima defesa. Se antes significava repelir a violência, a nova definição inclui o ato de preveni-la, isto é, atirar primeiro para impedir a reação do outro. Vimos, recentemente, o caso de Evaldo Rosa. Atiraram primeiro para, depois, perguntarem algo”, exemplifica Juliana.

Dos 65.602 assassinatos anuais no Brasil, 75% das vítimas são negras. A
população negra é a principal vítima da violência, de acordo com o Atlas da Violência deste ano.

“No entanto, o projeto ignora esses dados, apresentando propostas que aumentam a violência contra esse setor da sociedade brasileira. Apesar de seu nome, a lei proposta não inclui disposições para reduzir ou impedir a criminalidade”, defende o Movimento no texto enviado.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano