Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

‘Censura de Bolsonaro à cultura afeta negros, mulheres e LGBTs’, diz deputada federal

Deputada federal Áurea Carolina (PSOL-MG) defende que censura é motivada por autoritarismo do governo
WhatsApp_Image_2019-10-14_at_09.14.03

14 de outubro de 2019

Desde agosto, o governo de Jair Bolsonaro tenta proibir o financiamento de produções culturais da Ancine (Agência Nacional do Cinema) voltadas à diversidade de gênero e sexualidade.

Para a deputada federal Áurea Carolina (PSOL-MG), integrante da Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados, a censura afeta principalmente as populações à margem da sociedade retratadas nas produções audiovisuais.

“O impacto é maior sobre a população negra, feminina, LGBT e as comunidades tradicionais como indígenas e quilombolas, ou seja, sobre os segmentos sociais que são os maiores alvos das violações do governo”, afirma.

A parlamentar acrescenta que o ataque de Bolsonaro aos projetos culturais desrespeita a constituição federal e criminaliza a arte.

“A liberdade de expressão é um legado de democratização da sociedade brasileira após o silenciamento imposto pela ditadura militar. O bolsonarismo viola o que está na constituição ao barrar tudo o que contraria o posicionamento ideológico do governo e é uma forma de criminalizar os artistas que despertam a visão crítica da sociedade”, sustenta.

O Ministério Público determinou, em 7 de outubro, a continuidade da seleção de projetos audiovisuais da Ancine com temática LGBT. De acordo com o órgão, o Ministério da Cidadania barrou o financiamento por discriminação.

O governo recorreu à decisão, mas o Tribunal Regional Federal (TRF) negou o pedido em 10 de outubro.

O ministro da Cidadania, Osmar Terra, havia suspendido o financiamento da Ancine após o presidente Jair Bolsonaro criticar séries LGBTs em uma live realizada em 15 de agosto nas redes sociais. O secretário especial de cultura Henrique Pires deixou o cargo por não concordar com a filtragem de produções culturais.

Segundo Osmar Terra, a suspensão do edital não foi motivada por discriminação. Ele afirmou que o cancelamento era necessário para a recomposição dos membros do Comitê Gestor do Fundo Setorial do Audiovisual.

Na avaliação de Áurea Carolina, a insistência do governo em proibir produções culturais voltadas à diversidade é motivada pelo comportamento autoritário do presidente Jair Bolsonaro.

“Os artistas têm liberdade para produzir diferentes sentidos para a nossa existência, pois eles são capazes de sensibilizar e politizar a população. O governo detectou que isso representa uma ameaça para o seu projeto político e ideológico autoritário”, finaliza.

Orçamento para 2020

Na contramão do governo de Jair Bolsonaro e para o desenvolvimento cultural no país, a Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados aprovou no dia 10 de outubro o repasse de R$ 1.2 bilhão em emendas à Lei Orçamentária Anual (LOA 2020).

As emendas autorizam o investimento de recursos para a implantação, instalação e modernização de espaços e equipamentos culturais; atividades de promoção e fomento à cultura brasileira; ações de preservação do patrimônio cultural; e a implementação da Política Nacional de Cultura Viva.

  • Nataly Simões

    Jornalista de formação e editora na Alma Preta. Passagens por UOL, Estadão, Automotive Business, Educação e Território, entre outras mídias.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 152

EP 151

Cotidiano