Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Comunidades costeiras do Amapá revelam preocupação com exploração de petróleo, aponta relatório

Estudo do Greenpeace Brasil aponta impactos da exploração petrolífera na região e propõe alternativas econômicas
Ativistas do Greenpeace protestam contra a exploração de petróleo na região amazônica, em frente ao prédio da petrolífera francesa Total, no Rio de Janeiro, Brasil, em 28 de setembro de 2017.

Foto: Mauro Pimentel/AFP

26 de março de 2024

O Greenpeace Brasil lançou no dia 21 de março o estudo “Costa do Amapá: potenciais impactos do petróleo e alternativas econômicas”, realizado em parceria com a Amapari Consultoria Ambiental. O relatório, elaborado após uma extensa pesquisa realizada em seis municípios costeiros e um distrito municipal do estado do Amapá, na região da Bacia da Foz do Amazonas, revela importantes dados sobre a percepção das comunidades locais em relação à exploração de petróleo na região.

Entre os dados apresentados no estudo, destaca-se que 42% dos entrevistados têm expectativas negativas sobre a exploração de petróleo na região, enquanto 69,2% apontam o vazamento de óleo como uma possível causa de impactos sobre a pesca e a vida marinha. Além disso, revelou-se que 96% das comunidades costeiras do Amapá não participaram de nenhuma audiência pública sobre o tema.

Durante a pesquisa, realizada entre dezembro de 2023 e janeiro de 2024, foram coletados dados primários por meio de 103 entrevistas individualizadas. As áreas de pesquisa abrangeram seis municípios costeiros e um distrito, situados em duas mesorregiões: Oiapoque, Calçoene, Amapá, Pracuúba, Cutias, Macapá e o distrito do Bailique. As pessoas entrevistadas representavam comunidades tradicionais, colônias de pesca, associações, universidades, organizações da sociedade civil e entidades governamentais e não governamentais.

Em nota à imprensa, Enrico Marone, porta-voz do Greenpeace Brasil, ressaltou que o objetivo do relatório é combater a desinformação e destacar a importância de consultar as comunidades locais sobre os impactos potenciais da exploração de petróleo. O estudo revelou que 71,6% das pessoas entrevistadas consomem pescado diariamente ou frequentemente, tornando a pesca artesanal essencial para a economia e subsistência dessas comunidades.

“A exploração de petróleo é vendida como única possibilidade de desenvolvimento para a região, mas o estudo mostra que, além dos graves impactos socioeconômicos e ambientais que a atividade pode gerar, há outras alternativas econômicas sustentáveis que precisam de investimento”, afirma Marone em comunicado à imprensa. “Dados da Embrapa citados no relatório mostram que as batedeiras de açaí movimentam mais de R$ 150 milhões no estado”, exemplifica o porta-voz.


O estudo “Costa do Amapá: potenciais impactos do petróleo e alternativas econômicas” complementa a Expedição Costa Amazônica Viva do Greenpeace Brasil, que busca ouvir a população local e contribuir para o conhecimento científico sobre as correntes marinhas e costeiras do Amapá, a bordo do veleiro Witness. Confira o material na íntegra no link.

  • Giovanne Ramos

    Jornalista multimídia formado pela UNESP. Atua com gestão e produção de conteúdos para redes sociais. Enxerga na comunicação um papel emancipatório quando exercida com responsabilidade, criticidade, paixão e representatividade.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano