Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Decisão do STF classifica Estado como responsável por mortes em operações policiais

Como tese de repercussão geral, a classificação passa a ser considerada em outras decisões da Corte
A imagem mostra sessão do Supremo Tribunal Federal, em Brasília.

Foto: Antonio Augusto / STF

12 de abril de 2024

Em Recurso Extraordinário, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, na última quinta-feira (11), que o Estado deve ser responsabilizado por morte ou ferimentos de pessoas vítimas de disparos de armas em operações de segurança pública. 

A responsabilização na área civil permite o pagamento de indenização às vítimas ou a seus familiares. Segundo o entendimento do STF, a perícia inconclusiva sobre a origem do disparo não tira a responsabilização do Estado sobre os mortos ou feridos em operações. 

Foi decidido que, para evitar a responsabilização e o pagamento de indenização, cabe aos estados, municípios e demais entes federativos provar que seus agentes não foram os responsáveis pelos disparos.

Como tese de repercussão geral, a decisão reflete em todos os casos semelhantes, passando a ser aplicada em outras decisões da Corte.

O julgamento, que iniciou em plenário virtual e precisou ser transferido para sessão física, apresentou teses divergentes. O ministro Alexandre de Moraes havia defendido que a responsabilização deveria acontecer somente após a perícia confirmar a autoria dos disparos. 

Já o ministro Flávio Dino defendeu que a polícia não deve utilizar métodos violentos nas operações policiais. 

“A polícia, quando matou menos, houve menos criminalidade. Tiros a esmo não é um método justo de realização de operações policiais. Não é justo, não é eficiente. As balas perdidas, na verdade, não são perdidas. São balas que acham sempre os mesmos”, comentou Dino durante a plenária.

O levantamento da tese de repercussão geral foi feito após o julgamento do caso de Vanderlei Conceição de Albuquerque, morto por bala perdida durante operação do Exército em 2015 no Complexo da Maré, no Rio de Janeiro.

No caso, o STF condenou a União a pagar indenização para a família da vítima, no valor de R$ 500 mil, além do ressarcimento dos valores gastos com o funeral. Também ficou acordado o pagamento de pensão vitalícia aos familiares de Vanderlei.

  • Verônica Serpa

    Graduanda de Jornalismo pela UNESP e caiçara do litoral norte de SP. Acredito na comunicação como forma de emancipação para populações tradicionais e marginalizadas. Apaixonada por fotografia, gastronomia e hip-hop.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano