Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Deputados adiam análise da prisão de Chiquinho Brazão após parecer positivo de relator

Decisão veio após parlamentares solicitarem vista do processo; nova data pode ficar para depois do dia 9 de abril
Imagem da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados, nesta terça-feira (26), em decisão da análise da prisão de Chiquinho Brazão.

Foto: Bruno Spada/Câmara dos Deputados

26 de março de 2024

A presidente da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados, deputada Caroline de Toni (PL-SC), anunciou que a análise do ofício (CMC 1/24) do Supremo Tribunal Federal (STF) comunicando a prisão do deputado Chiquinho Brazão (RJ) seguirá estritamente o Regimento Interno da Casa. A decisão foi tomada em conjunto com os coordenadores de bancada no colegiado.

Gilson Marques (Novo-SC) foi o primeiro a solicitar uma revisão do ofício (CMC 1/24) encaminhado pelo Supremo à Câmara, no qual Alexandre de Moraes notifica a detenção do parlamentar por flagrante delito, sob a acusação de obstrução da Justiça no âmbito de uma organização criminosa.

Marques justificou seu pedido, destacando a extensão do relatório final da Polícia Federal, com 479 páginas, e a decisão de Alexandre de Moraes, totalizando 41 páginas. Ele ressaltou que esses documentos cruciais não estavam disponíveis no sistema para consulta dos membros da comissão.

Caroline de Toni destacou que o Regimento Interno garante aos parlamentares o direito de solicitar vista do parecer. Como resultado, vários deputados solicitaram vista, o que pode adiar a análise da prisão de Chiquinho Brazão por, no mínimo, duas sessões do Plenário.

Na prática, a decisão final sobre o caso poderá ser postergada para o dia 9 de abril, uma vez que na próxima semana, em razão da janela partidária, não devem ocorrer sessões no Plenário da Câmara.

Anteriormente, o deputado federal Darci de Matos (PSD-SC), relator na CCJ do pedido de prisão, havia apresentado um parecer favorável à manutenção da prisão do parlamentar. 

“Considerando presentes os requisitos constitucionais do flagrante e da inafiançabilidade, além de estar adequadamente fundamentada, meu voto é pela preservação da eficácia da decisão proferida pelo ministro Alexandre de Moraes, referendada, à unanimidade, pela 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal, nos autos do Inquérito nº 4.954/RJ, nos termos do projeto de resolução em anexo”, diz o parecer de Matos.

Brazão se defendeu direto da prisão

Em uma videoconferência, Chiquinho Brazão afirmou que as discussões que teve com a vereadora na Câmara Municipal do Rio de Janeiro não podem ser justificativa para associá-lo ao assassinato de Marielle. Ele explicou: “Estava lá lutando pela aprovação do projeto de lei que visava regularizar os condomínios irregulares em um prazo de um ano”.


Chiquinho e Domingos Brazão foram presos no domingo (24) pela Polícia Federal. Chiquinho é acusado de ser um dos mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco e do seu motorista, Anderson Gomes, em 14 de março de 2018, no Rio de Janeiro. Na época, ele era vereador do Rio de Janeiro.

  • Giovanne Ramos

    Jornalista multimídia formado pela UNESP. Atua com gestão e produção de conteúdos para redes sociais. Enxerga na comunicação um papel emancipatório quando exercida com responsabilidade, criticidade, paixão e representatividade.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano