Pesquisar
Close this search box.

PT assume o compromisso de eleger Douglas Belchior em 2022

Douglas Belchior, da UneAfro, se filia ao Partido dos Trabalhadores para disputar vaga na Câmara dos Deputados em 2022; evento teve participação de figuras históricas do movimento negro organizado

 

Douglas Belchior confirma candidatura pelo PT

Foto: Imagem: Pedro Borges

7 de dezembro de 2021

O professor e historiador Douglas Belchior, 43 anos, fundador da Uneafro, nesta segunda-feria (6), fez um ato de filiação ao PT (Partido dos Trabalhadores) e confirmou que irá disputar as eleições para a Câmara dos Deputados no ano que vem. O evento que aconteceu na sede do Teatro Oficina, no Bixiga, região central da capital paulista, contou com a presença massiva de representantes do movimento negro e de políticos progressistas que lutam contra o racismo.

“O movimento negro me deu o senso de justiça e a visão de mundo que eu busco ao reforçar a candidatura do Douglas e de muitos pretos e pretas nesse país. Eu busco um mundo onde a felicidade não seja só de uns poucos, eu quero um mundo com felicidade para todos. Nós temos direito à festa. Vamos construir uma revolução com a nossa visão de mundo, que é a visão que oferece a vida”, disse Regina Lúcia, uma das fundadoras do MNU (Movimento Negro Unificado).

Douglas fez um discurso inflamado para reivindicar espaço de poder e de tomada de decisão para os negros na política. Nesse sentido, apontou a necessidade do campo progressista assumir a centralidade da luta antirracista e falou sobre a importância de negros na organização social e política do Brasil, ao lembrar que a Frente Negra Brasileira, apenas 40 anos após a abolição da escravidão, era uma organização política com mais membros, proporcionalmente, do que o PT ou o PMDB tem hoje em dia.

“O Movimento Negro é o segmento mais vitorioso da história desse país. Esse povo veio só com o corpo, sem mala, e construiu a riqueza desse país”, afirmou.

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, e o pré-candidato ao governo do estado de São Paulo, Fernando Haddad, estiveram presentes e saudaram a filiação de Douglas Belchior. Gleisi disse que é um compromisso do partido eleger Douglas no ano que vem para fortalecer a atuação da legenda no Congresso. Atualmente, a bancada do PT tem 53 deputados federais, é a segunda maior, ficando uma cadeira atrás do PSL (Partido Social Liberal).

A Uneafro organiza núcleos de educação popular para jovens que querem entrar na universidade, que estão nas periferias da cidade de São Paulo, na região metropolitana, no interior do estado e também no Rio de Janeiro.

“O Brasil teve uma lei que proibiu o analfabeto de votar que durou 100 anos. Ou seja, 100 anos depois da abolição, o analfabeto não ainda podia votar. E não é surpresa que nesses 100 anos não houve preocupação de educar e alfabetizar, porque usaram a falta da educação como mecanismo permanente de exclusão do povo negro das decisões políticas”, pontuou Haddad.

Douglas disputou uma vaga para a Câmara dos Deputados em 2018, pelo PSOL, conseguiu 46.026 votos e ficou próximo de ser eleito em uma quarta vaga da legenda para os candidatos paulistas, porém, por conta do coeficiente eleitoral – que determina o total de cadeiras em relação à votação geral do partido – acabou ficando de fora.

“As palmas que recebi aqui hoje não são para mim. São para nós. Para o nosso talento, para a nossa paciência, nossa raiva e a nossa inteligência. Não chegamos aqui com pouca coisa”, declarou Douglas, que também faz parte da Coalizão Negra por Direitos, movimento que reúne mais de 150 entidades da luta antirracista.

A sua filiação marca um retorno do professor ao partido. No começo dos anos 2000, Douglas fez parte da Juventude do PT, foi militante das ações afirmativas, da luta antirracista e da valorização da educação na esquerda. “Antes de ser um militante de partido de esquerda, eu faço parte do movimento negro”, enfatizou Douglas.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano