Pesquisar
Close this search box.

Mesmo sob ameaça de morte, Witzel segue omisso sobre proteção à deputada

27 de junho de 2019

Governo do RJ não tomou atitude sobre pedido de proteção contra ameaça de morte sofrido pela deputada Talíria Petrone

Texto / Lucas Veloso I Imagem / Acervo Pessoal I Edição / Pedro Borges

A deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ) está sendo vítima de ameaças de mortes. Em abril, a Polícia Federal obteve informações de conversas que apontam para um plano contra a parlamentar.

Segundo a instituição, as ideias identificadas na dark web – onde todos os servidores de rede são inalcançáveis na Internet, por requererem softwares, configurações ou autorizações específicas para o acesso – estariam sendo elaborados desde 2018.

A partir desse momento, a parlamentar está sendo acompanhada por agentes da Polícia Legislativa em todos os lugares nos quais circula em Brasília.

Com a gravidade das ameaças, a própria Polícia Federal informou o caso ao presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia. Por sua vez, o presidente da Câmara dos Deputados enviou ofício ao governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, solicitando proteção e escolta 24 horas quando a parlamentar estiver no Rio de Janeiro.

O primeiro ofício de Maia foi enviado em 23 de abril. Diante do silêncio do governador, em 10 de maio, o presidente da Câmara Federal enviou nova solicitação para reiterar o pedido. Nenhum dos dois teve retorno.

Em maio, a bancada do PSOL no Congresso também enviou ofício ao governador pedindo para tratar do assunto, mas até o momento, não houve respaldo sobre o caso.

Às 6h15 desta quinta-feira, Talíria também se manifestou em sua conta no Twitter. “Recebo ameaças de morte desde ano passado. Em abril, a Polícia Federal obteve informações sobre um plano contra mim — e desde então ando com escolta da Polícia Legislativa em Brasília. Já no Rio, o governo ignora a segurança de uma parlamentar eleita”, escreveu.

O caso estava sendo tratado com sigilo, conforme sugerido pelos órgãos de segurança, mas devido a falta de respostas do Governo, “resolvemos trazer a público para buscar uma solução pública. Não trata-se de um pedido pessoal, mas de garantir o direito de que uma parlamentar eleita exerça seu mandato em segurança”, diz a nota oficial da deputada, onde denuncia a omissão do governador no caso.

Talíria faz parte do PSOL, mesmo partido que a vereadora Marielle Franco, assassinada em 14 de março do ano passado junto com seu motorista, Anderson Gomes.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano