Pesquisar
Close this search box.

Movimentos negros enviam para Câmara carta em defesa das cotas raciais no serviço público

Carta aberta aponta para tentativas de fragilização da política de cotas nas discussões parlamentares e pede celeridade na aprovação do PL
A foto mostra pessoas negras protestando.

Foto: Reprodução / Pexels

21 de maio de 2024

Mais de 500 organizações do movimento negro e da sociedade civil enviaram para a Câmara dos Deputados uma carta de apoio ao Projeto de Lei que trata da reserva de vagas de concursos públicos para pessoas negras, indígenas e quilombolas. O PL 1958/2021 já foi aprovado em comissão do Senado e aguarda votação dos deputados federais.

A proposta legislativa atual amplia o percentual de vagas disponíveis para os concursos públicos, de 20% para 30%, e inclui quilombolas e indígenas na política. O PL também prevê a prorrogação do sistema de cotas por mais 10 anos. 

O manifesto visa garantir a continuidade na política de cotas nos serviços públicos, além da manutenção do caráter racial da reserva de vagas. No documento, as organizações ainda frisam a necessidade de agilidade na apreciação do projeto, uma vez que o prazo de extinção da lei em vigor é previsto para junho deste ano.

A carta atenta para movimentações contrárias à política de cotas, como a tentativa do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) em descaracterizar, por meio de emenda parlamentar, o cunho racial e substituí-lo por critérios sociais dos candidatos.

“Ocorre que desde o início da tramitação, há uma tentativa explícita de inviabilizar a política, seja com emendas que deturpam a finalidade da lei, seja com recursos protelatórios que tentam atrasar a aprovação da nova lei antes da perda de vigência da legislação atual”, diz trecho da carta.

Para os movimentos signatários, não há dados concretos disponíveis sobre a faixa de renda dos candidatos, o que faz com que essa alteração não atenda as necessidades da população negra. 

Apesar de as pessoas autodeclaradas negras (pretas e pardas) representarem 56% da população, de acordo com informações do último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as pessoas negras representam apenas 35% dos servidores públicos. Em contrapartida, essa mesma população lidera os índices de resgatados em condições análogas à escravidão (84%) e corresponde a 70% da população carcerária nacional.

Baseado nesses índices, os movimentos defendem que as políticas de ações afirmativas são instrumentos que promovem a igualdade em oportunidades de emprego. “As ações afirmativas, para aqueles que pertencem a segmentos historicamente discriminados, aumentam, no mercado de trabalho, a participação de pessoas qualificadas reivindicando oportunidades de contratações e/ou promoções.”, defende o manifesto.

Assinam a carta a Uneafro Brasil, o Instituto de Referência Negra Peregum, o Movimento Negro Unificado (MNU), o Instituto Geledés, Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ), e organizações como Oxfam Brasil, Fundação Lemann, Central Única dos Trabalhadores (CUT) e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), além de centenas de núcleos de pesquisas de universidades públicas.

  • Verônica Serpa

    Graduanda de Jornalismo pela UNESP e caiçara do litoral norte de SP. Acredito na comunicação como forma de emancipação para populações tradicionais e marginalizadas. Apaixonada por fotografia, gastronomia e hip-hop.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano