Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

MPI lança editais para valorizar iniciativas de mulheres indígenas em biomas brasileiros

Poderão concorrer ações ligadas aos biomas Pantanal, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Caatinga.

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

9 de maio de 2024

Dois editais foram lançados pelo Ministério dos Povos Indígenas (MPI) nesta terça-feira (7) para convidar associações, organizações e representantes indígenas a desenvolverem e aplicarem soluções de recuperação de áreas ambientais degradadas.

O edital de “Apoio à Agricultura Ancestral e Produção de Florestas que promovam a cultura alimentar dos povos indígenas” e o edital “Karoá – Fortalecimento das mulheres indígenas do bioma caatinga na gestão socioambiental de seus territórios” foram apresentados diante de um público exclusivamente composto por mulheres indígenas, entre elas lideranças, cacicas e coordenadoras de micro regiões da Caatinga.

O primeiro destinará apoio financeiro no valor de até R$ 100 mil para a implementação de iniciativas e projetos alinhados aos propósitos específicos da Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas (PNGATI) e do Programa Mosarambihára, com aporte total de R$ 2 milhões.

A verba será aplicada em projetos que visem restaurar áreas degradadas com espécies nativas e monitorar as mudanças nos ecossistemas dos vários biomas brasileiros. O edital também procura promover a agrobiodiversidade e garantir a segurança alimentar. Poderão concorrer ações ligadas aos biomas Pantanal, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Caatinga.

Já o edital “Karoá” premiará 20 propostas no valor de R$ 30 mil para iniciativas de gestão socioambiental realizadas por mulheres indígenas no bioma Caatinga. O aporte global é de R$ 600 mil. O objetivo é reconhecer e fortalecer as iniciativas realizadas por mulheres indígenas do bioma Caatinga na gestão socioambiental e conservação da biodiversidade de seus territórios.

Serão contemplados projetos que promovam a transmissão intergeracional de conhecimentos e ciências tradicionais, segurança e soberania alimentar, recuperação de áreas degradadas, proteção das águas, entre outras ações qualificadas como gestão socioambiental e territorial. 

Os projetos fazem parte do “Programa Mosarambihára: semeadores do bem viver para a cura da terra” e foram anunciados durante o seminário “Gestão Ambiental e Mulheres Indígenas do Bioma Caatinga: semeando saberes e práticas para o fortalecimento dos territórios”, promovido dos dias 6 a 8 de maio pela Secretaria Nacional de Gestão Ambiental e Territorial Indígena.

Durante a conferência, a ministra Sônia Guajajara destacou o papel do MPI como voz institucional junto à Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai) para implementar a política indigenista no país. 

A parlamentar ressaltou a importância do movimento indígena como a base de apoio e orientação para avançar em outros editais e em processos estruturais da política indigenista, como a demarcação das terras indígenas e as condições para se fazer a gestão, proteção e segurança dos territórios e dos povos indígenas.

  • Mariane Barbosa

    Curiosa por vocação, é movida pela paixão por música, fotografia e diferentes culturas. Já trabalhou com esporte, tecnologia e América Latina, tema em que descobriu o poder da comunicação como ferramenta de defesa dos direitos humanos, princípio que leva em seu jornalismo antirracista e LGBTQIA+.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano