Pesquisar
Close this search box.

“Não posso deixar de ter coragem”, diz Leci Brandão eleita deputada estadual pela terceira vez

27 de outubro de 2018

No cenário político brasileiro, Leci, cantora, compositora e deputada estadual, ressalta conquistas de sua legislatura e promete continuar lutando por seu povo

Texto e imagem / Thalyta Martins

A Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) está de cara nova. São 51 deputados novos eleitos, entre eles Erica Malunguinho. No entanto, a maior bancada da Alesp é representada pelo Partido Social Liberal (PSL), partido do candidato Jair Bolsonaro. Também nove eleitos são de origem militar/segurança pública. Neste ano, dos 75 deputados estaduais que tentaram reeleição, apenas 43 conseguiram, e entre eles Leci Brandão, do Partido Comunista do Brasil (PCdoB).

A favor do povo e da cultura popular

Filha de Antônio Francisco da Silva, já falecido, dona Leci de Souza Brandão (94), de Ogum e de Iansã, Leci (74) tem 43 anos de carreira artística e foi eleita deputada estadual pela terceira vez em São Paulo.

Quando recebeu a notícia, ela conta que ligou chorando pra mãe, moradora do Rio de Janeiro e para quem ela leva boletins do que faz na Alesp, e disse que conseguiu mais uma vez. “Ah minha filha, eu sabia que você ia conseguir porque você faz um trabalho muito direitinho. Deus vai te ajudar”, foi a resposta.

E tem ajudado. A deputada relembra que em 2010, quando ganhou a sua primeira eleição, ficou assustada por não saber bem o que fazer na casa.

“No momento que eu fui eleita, eu fiquei apavorada, porque todo mundo tinha curso de direito, sociologia, economia… Mas eu sabia o que era certo e o que era errado. Eu sabia o que era direito e o que era injusto.”, conta.

Sem curso superior, mas munida do diploma da “universidade da vida”, perguntas e pedidos de explicação, Leci se orgulha das conquistas no cargo e na carreira. Conhecida como “cantora de protesto”, por falar da periferia, dos negros e LGBT’s, diz que cantar é como transe, mas que ela faz naturalmente.

“Eu não me preparo pra fazer música. Ela vem pra mim como se fosse transe e tudo tem um recado social. Eu tenho muita convicção que eles [Ogum e Iansã principalmente] estão juntos de mim. A partir dos anos 80, quando eu conheci a religião, a minha vida foi outra.”, explica.

Nesses anos de legislatura, Leci já conseguiu fazer o Dia de Ogum, Dia de Iemanjá, o Dia das Tias Baianas, o Dia Estadual da Umbanda, Dia do Orgulho Crespo, Semana do Hip Hop, além do guia com todas as comunidades de samba de São Paulo. Ela explica que é muita coisa ligada à juventude negra e acredita estar cumprindo a sua missão dentro da Comissão de Educação e Cultura, da qual faz parte. Ela também transita pela Comissão de Direitos Humanos.

corpo1leci

Leci Brandão durante o Encontro de Estudantes Negros da UEE, que ocorreu este ano no Sítio Quilombo Anastacia, em Araras (Imagem: Thalyta Martins)

“Se você olhar, todos os meus projetos, tudo tem conexão com o nosso povo! A favor da cultura popular”, diz.

Balanço dos mandatos anteriores

Atuante em Igualdade Racial, Inclusão Social e criação de Políticas Culturais, Sociais e Educativas, Leci Brandão é uma das deputadas mais atuantes. “Estou apenas cumprindo a missão que vocês confiaram pra mim”, diz.

Em vídeos publicados no seu canal no YouTube com a hastag #AlôComunidade, Leci faz Balanço de Mandato e também explica mais sobre sua função, o que ela pode fazer e o que não. Confira:

 

“Coletivo é sempre bom, fortalece”

Quando questionada sobre o futuro, Leci afirma que segurança pública e intolerância religiosa serão debatidos por ela, assim como moradia, saúde e genocídio da juventude negra.

Dentro do contexto político de avanço do conservadorismo e da extrema direita em diversas instâncias, e entre elas a Alesp, Leci se mostra feliz pela legislatura de Erica Malunguinho, “coletivo é sempre bom, fortalece”, mas também firme e preparada para enfrentar o que está por vir.

“Em 2019 eu vou ter que ter um colete pra poder enfrentar essa gente da maior bancada da casa. Uma coisa eu posso garantir: eu sempre respeitei e respeitarei os deputados, mas eu exijo respeito de volta. Eu não vou ficar escondida e acuada. Filha de Ogum e de Iansã tem bravura também. Não posso deixar de ter coragem, de chamar meu povo pra poder enfrentar essas coisas.”, ressalta.

Em esfera nacional, a deputada e cantora acredita que as mulheres estão cmo protagonistas. E faz um apelo também para votar por dignidade de vida, e não o contrário.

“A hora é nossa, a gente que tá com a bola. Tá na hora de chutar para ter dignidade de vida. Basta de ataques, preconceito, intolerância, basta de tanta coisa ruim. Essa é a eleição de nossas vidas. Ainda dá tempo de mudar esse panorama horroroso que está aí. Eu tenho um lado!”, diz.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano