Pesquisar
Close this search box.

No Recife, mandato coletivo de mulheres busca igualdade na Assembléia Legislativa

18 de setembro de 2019

As deputadas acreditam em mandatos coletivos como forma de democratizar o acesso à política institucional

Texto / Lucas Veloso | Edição | Pedro Borges | Imagem / Divulgação

Nas eleições do ano passado, um grupo de cinco mulheres foi eleito para ocupar uma vaga na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe). A “Juntas”, grupo filiado ao PSOL, foi eleita com 39.175 votos.

Formado pela advogada Robeyoncé Lima, a primeira transexual do Norte e Nordeste do país a usar o nome social na carteira da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), pela jornalista Carol Vergolino, pela ambulante Jô Lima, pela estudante de letras Joelma Carla e a professora Kátia Cunha, o grupo divide o gabinete e o mandato.

“É uma experiência nova pra gente, pois a Assembleia Legislativa não está preparada para nós, mas digo que eles têm de se preparar”, define Jô. “A gente faz a reparação no campo institucional, sempre ocupado por homens ligados a alguém, e ‘a gente não é filho de ninguém’. Sou filha de feirante, a Joelma, de agricultor, a Katia, de professor”, exemplifica.

Para ela, as pautas mais urgentes defendidas são as políticas públicas para as mulheres, o direito à educação e moradia. Elas se autodenominam como “mandata”, palavra adotada pelo grupo como o feminino de “mandato”.

“A gente impacta dentro da Assembleia e é desafiador por estarmos ocupando. A violência no Recife, por exemplo, é algo que preocupa demais. A Polícia é o braço para reprimir a população que mora nas periferias”, comenta Jô.

O Atlas da Violência, divulgado em agosto pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), mostrou que o Recife é a sétima capital brasileira com maior índice de assassinatos, em 2017. O levantamento apontou uma taxa de 58,4 homicídios para cada 100 mil habitantes.

A deputada ainda comenta sobre as dificuldades para incluir a população negra no debate, pois o Estado não tem interesse em incluir os mais pobres nas discussões. “Aqui, a gente tem dificuldade de trazer os negros pro centro pra cultura. Tem, por exemplo, os jovens do passinho, e a Polícia se reúne para acabar todas as vezes que eles se reúnem”, reconhece.

Sobre as próximas eleições, a “Juntas” pretende reunir pessoas para explicar como funciona o Estado e como os mandatos coletivos podem colaborar com sociedades mais justas.

“A gente está começando uma discussão de como vamos nos posicionar nas próximas eleições. As pessoas querem chegar junto com a mandata coletiva. Isso vai explodir”, festeja Jô. “Estamos indo nos territórios explicar cómo funciona. Vai vir muita gente nessa perspectiva”.

Uma das parcerias da mandata é com as igrejas evangélicas. A “Juntas” acredita que a Igreja é importante no sentido de mostrar à sociedade como o princípio de ‘servir os outros’ está relacionado com a política.

“Posso citar a Frente de Evangélicos pela Sociedade de Direito. Eles trouxeram uma narrativa baseada na escuta e na observação, dispostos a servir e não somente serem servidos”, observa Jô.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano