Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Para cada prefeita negra, foram eleitos 15 homens brancos, aponta relatório

Estudo publicado no Festival Latinidades analisa as desigualdades de gênero e raça na política brasileira e revela que equidade de gênero pode levar mais de um século para ser efetivada

Imagem de mulheres negras que ocupam espaços na política e prefeituras do país.

Foto: Imagem: Agência Brasil

26 de julho de 2022

Um relatório publicado no último domingo (24), durante o Festival Latinidades, que ocorreu em Brasília (DF), mostrou que poderá levar até 144 anos para que a paridade de gênero e 20 anos para que a paridade racial sejam alcançadas nas prefeituras do país, de acordo com o ritmo atual de inclusão da política brasileira.

O levantamento é do estudo Desigualdade de Gênero e Raça na Política Brasileira, desenvolvido numa parceria entre a Oxfam Brasil e o Instituto Alziras, que analisou dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre as eleições municipais de 2016 e 2020 e fez uma análise comparativa do perfil das candidaturas e das pessoas eleitas para os poderes executivo e legislativo.

O estudo revela que, apesar do aumento de número de mulheres, pessoas negras, LGBTQIA+ e indígenas eleitas para as câmaras municipais nas últimas eleições de 2020, ainda há avanços necessários na representação de gênero e raça na política do país.

As candidaturas de mulheres para as prefeituras do país passaram de 13,1% em 2016 para 13,6% em 2020. Já as mulheres eleitas prefeitas passaram de 11,5% em 2016 para 12,1% em 2020.

“O incremento em termos de diversidade nas prefeituras foi menos significativo em relação ao gênero, porém mais relevante em termos de pertencimento étnico-racial, apesar de ainda lento e insuficiente. As candidaturas negras para as prefeituras passaram de 32,5% [em 2016] para 35,6% [em 2020]. Prefeitos e prefeitas negras passaram de 29,1% [em 2016] para 32,1% [em 2020]. Nesse ritmo, levaremos 20 anos para alcançar a paridade racial nas prefeituras brasileiras”, destaca o relatório.

Leia mais: Festival Latinidades homenageia matriarcas: “a juventude vai continuar nossa luta”

Legado histórico de patriarcalismo, racismo e violência ainda não superado

Pela primeira vez na história, houve uma maioria (51,5%) de candidaturas negras para as Câmaras Municipais nas eleições de 2020, sendo que pessoas negras eleitas representaram 45,1%.

“O resultado certamente também foi influenciado pelo crescente debate em torno do racismo na agenda pública, e da pressão exercida pelos movimentos negros por maior representação política”, pontua o relatório. Apesar disso, os dados revelam ainda a pouca representatividade de mulheres negras na política.

Em 2020, para cada vereadora negra foram eleitos sete vereadores brancos, seis negros e duas vereadoras brancas. Segundo o relatório, as mulheres negras representam 25,4% da população e são 6,3% das vereadoras. As mulheres brancas representam 24,8% da população e são 9,5% das vereadoras. Os homens negros representam 25,3% dos brasileiros e são 38,8% dos vereadores. Já os homens brancos, mesmo representando 22,9% do total de brasileiros, são 44,6% dos parlamentares.

Mulheres negras na políticaMais de 3 mil municípios não têm vereadoras negras | Crédito: Afonso Braga/Câmara de SP

Quando considerados os critérios regionais e de porte populacional, o relatório revela que atualmente 57% (3.185) dos municípios brasileiros não têm vereadoras negras e 18% (978) não têm mulheres nas Câmaras Municipais. Além disso, as mulheres negras ocupam menos de 20% dos assentos em 90% das câmaras municipais.

Já em relação à composição racial das pessoas que ocupam as prefeituras, em 2020, para cada prefeita negra, foram eleitos 15 prefeitos brancos, sete negros e duas brancas. São 3,9% de prefeitas negras, 8,1% de prefeitas brancas, 28,2% de prefeitos negros e 59,2% de chefes de executivo municipal brancos. O relatório também revela que 86% das cidades brasileiras não contaram com mulheres negras como candidatas a prefeitas em 2020. 

De acordo com Roberta Eugênio, co-diretora do Instituto Alziras, o quadro da subrepresentação das mulheres, sobretudo das mulheres negras, na política pode ser explicado pelo acúmulo das desigualdades estruturais e históricas. Além disso, fica evidente que os baixos percentuais de mulheres e negras à frente das prefeituras, também é motivado pela ausência de incentivo a essas candidaturas, que é exposto no baixo percentual de mulheres candidatas a esses cargos.

“As mulheres não chegam a 20% dos candidatos à prefeitura em todos os partidos. E, conforme o estudo revela, em 2020 os homens brancos foram o único grupo onde a parcela de eleitos foi maior do que a proporção de candidaturas. No caso do Executivo municipal, fica evidente que as decisões partidárias sobre quem serão os indicados e as indicadas para a disputa impactam na presença das mulheres, em especial das mulheres negras, no mais alto cargo municipal”, explica a co-diretora do Instituto Alziras.

O relatório também aponta que a sub-representação de mulheres negras na política brasileira tem relação direta com o financiamento de campanhas. “Enquanto a maioria das candidatas negras não tem bens a declarar, os candidatos mais ricos (e brancos) contam com melhores condições patrimoniais para financiar as próprias campanhas, obtendo assim vantagens na corrida eleitoral”, explicam.

O estudo ressalta que há uma menor concentração de municípios governados por prefeitas negras nas regiões Sudeste (2%) e Sul do país (0,3%). “Em um país em que mais de 50% da população é negra e 28% da população é composta por mulheres negras – e, dessas, apenas 6,3% são vereadoras – fica evidente o impacto do legado histórico de patriarcalismo, racismo e violência que ainda não foi superado, algo crucial em se tratando de defesa da democracia”, ressalta o documento.

“Entre os partidos, são comuns as queixas relacionadas a dificuldades para cumprir a reserva de vagas imposta pela legislação, tendo por base o argumento de que faltaria vontade ou interesse das mulheres de participar da política. Pouco se discute, no entanto, a respeito das distintas barreiras que incidem sobre a participação feminina no processo eleitoral e sobre a responsabilidade das próprias legendas para que as desigualdades de gênero e raça não se expressem de forma tão contundente no interior de suas estruturas”, complementa o relatório.

Em relação a população LGBTQIA+, nas eleições de 2020, candidaturas trans foram autorizadas a utilizar o nome social nas urnas pela primeira vez, mas os partidos e os tribunais eleitorais não atualizaram seus cadastros com a autodeclaração relacionada à orientação sexual e identidade de gênero, de modo que a identificação de candidaturas trans e LGBT+ como um todo ainda é um desafio por conta de lacuna na coleta de dados.

Entre os poucos dados disponibilizados, foram identificados 546 candidaturas LGBT+ para vereança em 2020. Dessas, 97 foram eleitas, o que corresponde a uma taxa de sucesso eleitoral de 18%.

Novas regras de financiamento melhoraram um pouco a inclusão

O relatório publicado pela Oxfam e Instituto Alzira ressalta que as mudanças recentes nas regras de financiamento de campanhas ajudaram a aumentar a proporção de mulheres que se candidataram nas eleições, mas ainda não o suficiente.

Algumas das mudanças recentes destacadas foram: a proibição do financiamento empresarial, a criação do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) e a decisão da Justiça Eleitoral de 2020 em aprovar as cotas raciais e a dotação de pelo menos 30% dos recursos públicos e do tempo de propaganda eleitoral para as campanhas de mulheres.

“Uma análise comparada das eleições de 2016 e 2020 revela que houve maior equivalência entre a proporção de mulheres candidatas a prefeita e a parcela de recursos arrecadados por suas campanhas”, ressalta o estudo.

Em 2016, as mulheres eram 13% das candidaturas ao executivo municipal, com 12% da arrecadação. Em 2020, eram 14% das candidaturas com 18% da arrecadação. Já para as câmaras municipais, em 2016, as mulheres eram 32,5% das candidaturas com 21% da arrecadação. Em 2020, eram 35% das candidaturas com 32% da arrecadação.

“Vale ressaltar também o significativo aumento de arrecadação por meio de outras fontes, como o financiamento coletivo, que chegou a R$ 6,3 milhões em 2020. Isso demonstra o potencial das candidaturas coletivas e um modo de ação política pautado na coletividade, algo presente no ativismo de mulheres negras”, acrescentam.

A co-diretora do Instituto Alziras comenta que o maior percentual em relação a eleição de mulheres negras ainda é pífio, embora mereça comemoração.

 “As eleições de 2020 foram históricas para a população negra, já que foi a primeira em que o percentual de candidaturas negras ultrapassou 50% do total de candidatos, embora em relação as mulheres negras, alguns desafios ainda se apresentem. É preciso avançar na priorização de candidaturas de mulheres negras para todos os cargos, inclusive para o legislativo municipal e fomentar meios de diminuir as desvantagens econômicas dessas nas eleições”, ressalta Roberta Eugênio.

“É preciso mais recursos públicos, apoio às campanhas de financiamento virtual e uma atuação mais forte junto aos partidos para que mais mulheres negras sejam convocadas para todas as disputas e para que essas candidaturas recebam o apoio e a visibilidade necessária para uma eleição de sucesso”, finaliza.

Leia também: De Antonieta a Malunguinho: as mulheres negras pioneiras na política brasileira

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano