Pesquisar
Close this search box.

Pesquisadores da América Latina apoiam quilombolas de Alcântara e condenam acordo entre Brasil e EUA

30 de maio de 2019

Base de Alcântara foi construída durante o regime militar e ocupa parte de território quilombola; Grupo de quilombolas de Alcântara condena a utilização do espaço sem qualquer participação na gestão da base

Texto / Pedro Borges I Imagem / Maranhão Hoje

Membros da Associação de Estudos Latino Americana (LASA) emitiram nota de apoio às comunidades quilombolas de Alcântara e em repúdio ao acordo firmado entre o governo brasileiro e americano, em 18 de Março de 2019, que almeja conceder o Centro de Lançamento de Alcântara no Brasil aos Estados Unidos.

De acordo com o texto emitido, a ação se trata de uma ameaça aos “direitos territoriais e as vidas de muitas comunidade afrobrasileiras de quilombos da região”.

Danilo Serejo, quilombola de Alcântara e cientista político, avalia de maneira positiva o apoio recebido pela comunidade acadêmica internacional.

“Não é qualquer manifestação. Trata-se da fala de uma das maiores, talvez a maior, instituição de pesquisa/científica do mundo”, afirma.

A região concentra 86 comunidades quilombolas e 120 povoados. O território também é considerado patrimônio tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), desde 2004.

O acordo firmado entre Brasil e EUA permitirá aos norte-americanos se apossarem de 62 mil hectares para a construção de foguetes, satélites e lançá-los ao espaço. A base brasileira, localizada no Maranhão, é considerada o ponto mais estratégico do mundo para o envio de aeronaves para o espaço.

Caso o Congresso Nacional ratifique o acordo firmado entre Donald Trump e Bolsonaro, centenas de famílias quilombolas serão deslocadas de maneira forçada, segundo os estudiosos da LASA.

Danilo Serejo também afirma que outras violações de direito são impostas às comunidades quilombolas, como a impossibilidade de uso de determinados espaços, importantes para a economia local.

“Em períodos de operações de lançamento de foguetes (20 a 40 dias) as comunidades são proibidas de acessarem o mar, sob o argumento segurança. No então nenhuma medida compensatória é apresentada para suprir isso, haja vista que o mar é a principal fonte de renda e alimentação destas comunidades”, afirma.

Os pesquisadores recordam que as comunidades quilombolas têm o direito à terra garantido pela constituição brasileira de 1988. Em contrapartida, o Centro de Lançamento de Alcântara foi instalado na região nos anos 1980 e nunca recebeu licença ambiental obrigatória de uso. A ação também resultou no deslocamento de 312 famílias, na época.

“O governo do Estado do Maranhão nos deve um pedido de desculpas. O dever de reparação aqui é norma imperante, dado o contexto de exceção em que ocorreu [regime militar]. É regra básica de direitos humanos. Por isso estamos exigindo do Estado do Maranhão a formalização de um pedido de desculpas às comunidades por nos colocar ao arbítrio dos militares no início da década de 1980”.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano