Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

É urgente proteger as mulheres negras da violência de homens brancos e negros

Temos que criar nos territórios formas criativas de proteger nossas mulheres dessa interação perversa do machismo e do racismo
Imagem mostra o rosto de uma mulher negra desfocado e fazendo um sinal de "pare" com uma das mãos.

Foto: Arquivo CNJ

31 de maio de 2023

Por: Regina Lúcia dos Santos

Volta e meia damos de cara com mulheres negras tendo suas vidas assoladas por esta interação mais do que perversa do machismo e do racismo, mas não só.

Em alguns casos nos deparamos com mulheres negras violentadas, humilhadas e torturadas por homens negros em suas relações afetivas e familiares. E nós não podemos nos furtar de encarar esta questão, não podemos deixar para lá porque se trata de homens negros.

Nós temos que buscar, enquanto movimento negro e de mulheres negras, uma forma de contribuirmos para desmanchar este não caminho nas nossas relações.

Leia também:Abrigos sociais são sinônimo de medo e violência para mulheres negras

A comunidade negra e periférica tem que buscar formas de acolher, de dar segurança, física e emocional, de resgatar a mulher em meio aos destroços que uma relação abusiva deixa. E essas formas têm que ser muito cuidadosas, sem julgamentos, sem imposição de regras, sem colocar exigências de nenhuma ordem.

Nos sonhos de uma comunidade pautada pela cosmovisão africana, nós teríamos um conselho de anciãs que pudessem orientar de forma amorosa esse resgate, mas enquanto não podemos efetivar esta utopia, temos que criar nos territórios formas criativas de proteger nossas mulheres como a patrulha do apito da zona norte do Recife ou as Gulabi Gang da Índia para manter nossas mulheres vivas e buscar políticas públicas de atendimento jurídico, psicológico e social.

Aqui um parênteses: no Brasil, não é porque a mulher é negra e militante que ela está livre desta violência. Recentemente, tivemos inúmeros casos de mulheres militantes da área do samba, da educação e da cultura que foram vítimas do machismo de homens brancos e negros.

A boa notícia é que temos visto grupos de homens negros, em vários lugares do país, discutindo as diversas toxicidades da masculinidade.

Leia também: Racismo tira das pessoas negras o direito de envelhecer bem

*Regina Lúcia dos Santos é coordenadora estadual do Movimento Negro Unificado, em São Paulo.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 152

EP 151

Cotidiano