Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Para a assessora preta, nenhuma chance ao erro

Marcelle Decothé foi exonerada do Ministério da Igualdade Racial depois de comentários inadequados sobre torcida do SPFC durante missão oficial; Quantas pessoas brancas lidam com o erro e a possibilidade da segunda chance?
Marcelle Decothé, assessora exonerada do Ministério da Igualdade Racial.

Foto: Foto: Reprodução

27 de setembro de 2023

O início da conversa sobre o assunto deve ser categórico: Marcelle Decothé, chefe da Assessoria Especial do Ministério da Igualdade Racial (MIR), se posicionou de maneira inadequada durante a final da Copa do Brasil entre São Paulo x Flamengo. Independente de estar certa ou errada, a assessora ali estava para acompanhar a ministra Anielle Franco em uma agenda oficial do governo. Ela, como estudiosa do tema, conhece o debate racial no Brasil e sabe das delicadezas do mito da democracia racial e da fragilidade branca do país. A pressão sobre o MIR e o governo federal tornaram insustentável a sua permanência no cargo. Uma pena.

É necessário frisar, contudo, que Marcelle Decothé não cometeu “racismo”, afinal, não existe possibilidade de ser racista contra pessoas brancas em uma sociedade como a brasileira. De acordo com os conceitos de preconceito, discriminação e racismo, Marcelle pode ter agido de maneira discriminatória, mas em hipótese alguma racista. As palavras usadas pela assessora não têm a possibilidade e o poder de causar a morte de uma pessoa branca ou ferir a honra como o racismo antinegro tem no Brasil. Não há, também, chance de ser xenófobo contra paulistas, por razões históricas óbvias.

O caso de Marcelle ocorre de maneira paralela a uma série de outros, com a participação destacada de homens brancos. O resultado, contudo, foi bastante diferente, com manutenção de cargos, estudo, respaldo jurídico, sem ataques de caráter gordofóbico e sem exposição do rosto.

Quinze estudantes da faculdade de medicina da Unisa organizaram uma masturbação coletiva durante uma partida de vôlei feminino e outros estudantes da Universidade São Camilo mostraram a bunda durante outra partida, isso tudo no mesmo encontro. No primeiro caso, os homens foram afastados da universidade e depois, por decisão judicial, reintegrados ao curso. No segundo, a universidade proibiu os estudantes de participarem de jogos e pediu “cautela” para apurar a situação e não se precipitar com uma injusta expulsão. O mundo pede cuidado ao julgar homens brancos.

O rosto desses rapazes não foi exposto a esmo como o da assessora. Eles não ficaram famosos, não tiveram seus perfis atacados, pelo menos não na mesma intensidade que Marcelle Decothé. Esses homens, e assim devem ser tratados, como adultos, tiveram, ao máximo, suas nádegas ou genitálias com repercussão nacional.

Os estudos seguirão e eles provavelmente estarão, em alguns anos, atendendo normalmente a população brasileira, sem qualquer “mancha” no seu passado ou trajetória. Isso será motivo de riso, não de trauma, em um futuro breve.

Para Marcelle Decothé, apesar da rede de apoio, esse caso deve ser tornar traumático, com possíveis implicações para a sua vida profissional e política. O mundo não perdoa o erro de mulheres negras.

A situação da assessora exonerada ocorre no mesmo período em que o movimento negro luta pela indicação de uma mulher negra para a vaga do Supremo Tribunal Federal (STF). Apesar dos muitos acertos históricos, da população negra ter votado em peso no atual presidente Lula, ao que tudo indica, mais um homem branco deve ser indicado ao cargo. O Brasil, em pouco tempo, mostra com eficiência como é fácil derrubar uma mulher negra, acabar com a sua reputação, na mesma medida em como é possível poupar a trajetória de homens brancos, e como é quase impossível promover uma mulher negra aos principais postos de poder do país.

Que Marcelle seja acolhida neste momento e que o Brasil avance na agenda de raça e gênero. É preciso construir um cotidiano mais saudável para elas, o que representaria um ambiente mais justo para todos nós.

* Pedro Borges é editor-chefe da Alma Preta. Formado em jornalismo pela UNESP, compõe a Rede de Jornalistas das Periferias e a Coalizão Negra por Direitos. A cobertura do racismo é sua contribuição para a construção de um país mais plural e democrático.
 
  • Pedro Borges

    Pedro Borges é cofundador, editor-chefe da Alma Preta. Formado pela UNESP, Pedro Borges compôs a equipe do Profissão Repórter e é co-autor do livro "AI-5 50 ANOS - Ainda não terminou de acabar", vencedor do Prêmio Jabuti em 2020 na categoria Artes.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano