Pesquisar
Close this search box.

Racismo é crime e, como tal, deve ser punido

Regina Lúcia dos Santos e Milton Barbosa, coordenadores do Movimento Negro Unificado (MNU), discutem caso de racismo cometido por vereador de Caxias do Sul (RS)

Imagem: Bruna Giusti/Câmara Municipal de Caxias do Sul

Foto: Imagem: Bruna Giusti/Câmara Municipal de Caxias do Sul

15 de março de 2023

O povo negro desse país é muito forte. Além de mais de 500 anos de resistência, incluindo escravização e racismo continuado do pós abolição, tem que aguentar, na modernidade, trabalho aviltante análogo a escravidão. Além da total conivência dos meios de comunicação tradicionais, da polícia, do judiciário e dos parlamentos Brasil afora.

Neste recente episódio dos mais de 200 trabalhadores libertos de trabalho escravo em Bento Gonçalves, tomamos conhecimento que a empreiteira responsável pela contratação dos trabalhadores já havia assinado um número grande de TACS, que outra TAC foi oferecida como forma de resolver o crime cometido, mas isto ainda não tinha acabado.

Um vereador racista, fascista, de extrema-direita faz em plena sessão da Câmara Municipal de Caxias do Sul um pronunciamento racista, de incitamento ao crime que deveria ter causado sua prisão em flagrante, já que o crime de racismo está devidamente tipificado em lei. Mas não só isso não ocorreu, como foi necessário uma grande pressão popular para que fosse admitido o processo na comissão de ética para avaliar a sua cassação.

Leia mais: “Ensinará a sociedade que o racismo é um crime inaceitável”, diz historiador sobre equiparação de injúria racial ao crime de racismo

Como racista nunca admite que cometeu um crime o vereador Sandro Fantinel chamou seu crime de lapso de memória num pronunciamento que se pretendeu emocional, piegas e só conseguiu soar cínico e abjeto. 

Seu pronunciamento racista na tribuna ofendeu o povo nordestino, o baiano em específico, a cultura e o povo negro, incitou ao crime de ódio, incitou ao crime de burla as leis trabalhistas e a discriminação.

É CRIME, É CRIME, É CRIME. E, como tal, deve ser punido.

*Regina Lúcia dos Santos é coordenadora estadual do MNU-SP e Milton Barbosa é um dos fundadores e coordenador nacional de honra do MNU.

Leia também: A psicologia não tem se preocupado suficientemente com o racismo

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano